Vélez manda nova carta, sem slogan, mas ainda com pedido de filmagem

Vélez manda nova carta, sem slogan, mas ainda com pedido de filmagem

Renata Cafardo

26 de fevereiro de 2019 | 15h35

O Ministério da Educação (MEC) mandou às escolas nesta terça-feira uma nova versão da carta enviada ontem, que causou polêmica ao pedir que diretores lessem o slogan de campanha de Jair Bolsonaro.

Na carta anexa do novo e-mail, foi retirado o slogan “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”. O texto também foi levemente modificado. Em vez de “vamos saudar o Brasil dos novos tempos”, diz agora somente “vamos saudar o Brasil”.

O corpo do e-mail também foi mudado, mas continua requisitando que a escolas filmem seus alunos durante a leitura da carta e a execução do hino. A palavra “voluntariamente” foi adicionada. E ainda que “a gravação deve ser precedida de autorização legal da pessoa filmada ou de seu responsável”.

Em nota em seu site, o MEC afirma que depois do recebimento das gravações “será feita uma seleção das imagens com trechos da leitura da carta e da execução do Hino Nacional para eventual uso institucional”. Segundo o governo, a atividade faz parte da política de incentivo à valorização dos símbolos nacionais.

O MEC assume o erro no novo comunicado. Diz que o ministro Ricardo Vélez Rodríguez reconheceu “o equívoco da utilização do trecho também utilizado durante período eleitoral”. Em entrevista hoje a jornalistas depois de audiência no Senado, o ministro já havia dito que percebeu o erro.

Foi  mantido ainda o pedido de que os alunos sejam perfilados diante da bandeira do Brasil, durante a execução do hino. O comunicado foi revelado ontem pelo Estado.

novo e-mail enviado às escolas nesta terça