Bancada evangélica reage a nome de Mozart Neves para o Ministério da Educação

Bancada evangélica reage a nome de Mozart Neves para o Ministério da Educação

Renata Cafardo

21 Novembro 2018 | 14h40

A escolha do educador Mozart Neves Ramos para assumir o Ministério da Educação no futuro governo de Jair Bolsonaro (PSL) provocou forte reação da bancada evangélica na Câmara. Segundo fontes ouvidas pelo Estado, Mozart foi convidado pelo presidente eleito e pretendia aceitar o cargo em uma reunião marcada para a manhã desta quinta-feira, 22, em Brasília.

“Não há afinidade ideológica. A bancada evangélica não vai respaldar um ministro que não tenha afinidade. Dois temas cruciais para a bancada são o Escola Sem Partido e a ideologia de gênero”, disse o deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS), ligado à Assembleia de Deus.

“Não é veto ao nome, ele é uma pessoa muito respeitada até pelo histórico dele. Pelo que é sabido, ele tem um posicionamento ideológico totalmente diferente dos conceitos e princípios da bancada evangélica”, completou Nogueira, um dos parlamentares mais fortes na bancada. “Ninguém dá aquilo que não tem. Você vai dar alguma coisa diferente daquilo que você acredita? Não. Ele não vai ser feliz atuando como ministro sem convicção. Tem que ser ministro que tenha convicção no que diz respeito a esses temas.”

No início da noite desta quarta, 21, o presidente eleito declarou em sua conta no Twitter que, “até o presente momento, não existe nome definido para dirigir o Ministério da Educação”.

O nome de Mozart teria surgido após a aproximação de Viviane Senna, presidente do Instituto Ayrton Senna, ao grupo de Bolsonaro. Mozart é um dos nomes mais conhecidos da educação atualmente no País. É diretor do Instituto Ayrton Senna, foi o primeiro presidente-executivo do Todos pela Educação e secretário de Educação de Pernambuco.

Formado em Engenharia Química e ex-reitor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Mozart esteve ao lado de Viviane em todas as reuniões feitas com o presidente eleito e sua equipe, durante e depois das eleições.

O Instituto Ayrton Senna divulgou nota desmentindo que ele tenha sido convidado: “Diferentemente do que vem sendo publicado na imprensa, Mozart Neves Ramos, diretor do Instituto Ayrton Senna, não foi convidado pelo novo governo para assumir o Ministério da Educação.” A nota diz ainda que Mozart participará nesta quinta de uma “reunião técnica” com Bolsonaro.

Mozart não é vinculado a nenhum partido e, por isso, transita bem pela esquerda e pela direita. Tem boas relações inclusive com Fernando Haddad (PT), candidato derrotado por Bolsonaro nas eleições. Eles se aproximaram durante o período em que o educador ocupou a secretaria de Estado, entre 2003 e 2006, no governo de Jarbas Vasconcelos (MDB). Haddad era o ministro da Educação.

No Todos pela Educação, notabilizou-se por estudos que mostravam a falta de professores no País, principalmente para áreas de ciências. Entre suas defesas estão também o ensino integral e as competências socioemocionais, como empatia e trabalho em equipe, bandeira atual do Instituto Ayrton Senna.

Mozart Neves Ramos foi diretor executivo do Todos pela Educação

Na semana passada, ele, Viviane, Ricardo Paes de Barros e Priscila Cruz, do Todos pela Educação, reuniram-se com o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e com a deputada federal eleita Joice Hasselmann. Os especialistas apresentaram o cenário da educação brasileira e disseram que é preciso focar em alfabetização e em valorização do professor.

Depois, Viviane – que chegou a ser cotada para o cargo de ministra – teve um encontro privado com Bolsonaro, sem a presença de Mozart. Em entrevista ao Estado na semana passada, a irmã de Ayrton Senna e presidente do instituto que leva o nome do piloto disse que o novo governo precisa focar em pautas que “impactem a aprendizagem”. Ela também criticou o projeto Escola sem Partido, defendido por Bolsonaro, dizendo que já há meios para coibir eventuais tentativas de doutrinação de professores. / COLABOROU FELIPE FRAZÃO