Possibilidade de fechar a USP deve ser discutida amanhã

Possibilidade de fechar a USP deve ser discutida amanhã

Foi confirmado caso de coronavírus de um aluno da universidade. Reitores serão convidados a compor o grupo de contingência contra a doença no Estado

Renata Cafardo

11 de março de 2020 | 18h49

Causou mal-estar na  Universidade de São Paulo (USP) a informação de que governador João Doria pretendia fechar a instituição por causa do coronavírus, noticiada pela Folha de S. Paulo. A USP tem autonomia, garantida pela Constituição, para suas decisões administrativas. A notícia pegou integrantes da reitoria de surpresa e a instituição soltou nota afirmando que as atividades estão normais.

O governo do Estado esclareceu à reportagem, no entanto, que Doria não pretende interferir na decisão, que  será do Centro de Contingência para o Coronavírus do Estado de São Paulo, coordenado por David Uip.

Uma reunião do grupo já estava marcada para esta quinta-feira. Segundo o Estado apurou, os reitores das três universidades paulistas (USP, Unesp e Unicamp) devem ser convidados nesta quinta-feira para integrar o comitê.

Foi confirmado nesta quarta-feira, 11, o primeiro caso de coronavírus em um estudantes da USP. Um aluno de graduação da Geografia entrou em contato com a direção do departamento do curso para informar que testou positivo para o vírus.

Apenas o departamento de Geografia, que ocupa um lado do prédio da Faculdade de Filosofia, Letra e Ciências Humanas (FFLCH) foi fechado até agora. O mesmo prédio tem aulas de História e as aulas ocorreram normalmente. O aluno não frequentou muitas aulas e quem teve contato com ele está sendo monitorado.

 

Reitores da USP, Unesp e Unicamp têm acompanhado as notícias de universidades fechadas fora do País e eventos cancelados. A dificuldade ainda é entender o momento que seria necessário fazer algo parecido por aqui e como as aulas seriam mantidas à distância.

Segundo fontes, a estrutura para isso não é tão robusta e o semestre teria que ser flexibilizado. A Unicamp, por exemplo, tem algumas aulas de seus professores no Youtube. A USP também oferece alguns cursos à distância em Medicina e Educação Física, por exemplo.

A USP também divulgou nota informando que criou nesta quarta-feira o Comitê Permanente USP Covid-19, “que tem como objetivo acompanhar permanentemente a evolução da presença do vírus entre alunos, professores e servidores técnicos e administrativos da Universidade, em todos os campi da USP, bem como realizar atualizações periódicas das recomendações da autoridade sanitária.” Ele é presidido pelo superintendente de Saúde da USP e do Hospital Universitário (HU), Paulo Ramos Margarido. A nota diz ainda que esse comitê fará a interface de comunicação com as autoridades sanitárias estaduais e federais.

USP, Unesp e Unicamp são financiadas por 9,57% da arrecadação do ICMS do Estado, mas são autônomas para decidir que cursos irão oferecer, por exemplo, ou como se organizarão do ponto de vista administrativo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: