Escolas recebem terceira versão da carta de Vélez, sem pedido de vídeos

Renata Cafardo

28 de fevereiro de 2019 | 11h05

Na manhã desta quinta-feira, o Ministério da Educação (MEC) já começou a enviar às escolas de todo o País uma terceira versão do comunicado sobre o Hino Nacional. A mensagem diz o seguinte:

“Em relação à mensagem anterior do Ministério da Educação (MEC), dirigida aos senhores e senhoras diretores e diretoras de escolas, por questões técnicas de armazenamento e de segurança, o ministro Ricardo Vélez Rodríguez decidiu suspender o pedido de filmagem e de envio dos vídeos por e-mail.”

A decisão de não pedir os vídeos das crianças foi divulgada ontem à noite e partiu da  consultoria jurídica do ministério.

Na terça-feira, a Procuradoria dos Direitos do Cidadão do MPF havia dado 24 horas para que o ministério se manifestasse. Isso porque na segunda-feira, o governo havia enviado a escolas públicas e particulares um pedido para que filmassem os alunos cantando o Hino Nacional. A informação foi dada com exclusividade pelo Estadão.

O e-mail ainda recomendava que fosse lida para as crianças uma carta do ministro Ricardo Vélez Rodríguez, que terminava com o slogan da campanha de Jair Bolsonaro: “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.”

Muito criticado por juristas e educadores, Vélez já havia recuado na terça-feira e escrito nova versão da carta, excluindo o slogan eleitoral do presidente, mas mantendo os vídeos.