Xadrez: mais do que um jogo, uma ferramenta pedagógica

Xadrez: mais do que um jogo, uma ferramenta pedagógica

Colégio São Luís Jesuítas

03 Novembro 2015 | 10h30

DSC_5146aJogo de tabuleiro de natureza recreativa e competitiva, o xadrez não tem limite de idade para se jogar.  Sua prática desenvolve o raciocínio matemático, a atenção, a memorização, a inteligência e a imaginação. Também proporciona os fundamentos básicos para o progresso contínuo do aluno nos estudos, como a lógica pura e a dedução. Por esses benefícios, o Colégio São Luís inclui o xadrez na programação de cursos extracurriculares, com aulas para alunos a partir dos 5 anos de idade, uma vez por semana.

Para o aluno Yuri Vargas Guedes, da 3ª série do EM, o xadrez é uma atividade social. “Por meio dele, conheço  vários outros jogadores do São Luís e de outros colégios. E nos divertimos bastante nas partidas”.  Yuri aprendeu a jogar com o pai e, desde 2004, participa do curso no São Luís. Segundo ele, o jogo o tem auxiliado na concentração; e a focar no objetivo, na definição de metas e no desenvolvimento de formas para atingi-las. “O xadrez me faz estabelecer e desenvolver o raciocínio, ajuda a melhorar o resultado nas disciplinas de exatas, mas também auxilia na intuição e no relacionamento.”

De acordo com o professor Angel Gutierrez, os benefícios proporcionados por esse jogo são inúmeros. Ele incrementa qualidades importantes para o desenvolvimento dos alunos, como concentração, atitude reflexiva, raciocínio lógico, capacidade de antecipação, espírito de decisão, autoestima, autocontrole, memória, raciocínio espacial e intuição.  “Dentro da escola, o jogo contribui no aprendizado sobre espaço, tempo, hipótese, probabilidades, processos alternativos, processos interativos, variáveis, funções, relações, proporções e geometria.”

No aprendizado aritmético, o xadrez traz as noções de troca, valor das peças e de controle das casas. Na área de álgebra, há representação gráfica do tabuleiro e cálculo do índice de performance dos jogadores; na de geometria, os movimentos das peças introduzem as noções de vertical (coluna), horizontal (fileira) e diagonal.

“O jogo também é uma ferramenta que ajuda no aprendizado de idiomas, por meio do manejo de códigos e da comunicação. Em Ciências Sociais, auxilia nas relações humanas e sociabilidade. E, na disciplina de Ciências, contribui para o aluno desenvolver a observação, a análise, a hipótese e a exploração. Outro atributo da prática do xadrez é que, por ser um jogo baseado em regras rígidas, obriga a uma pauta ética no momento certo para a aquisição de valores morais”, esclarece Gutierrez.

Professor e aluno são unânimes em dizer que o xadrez é uma atividade divertida, na qual nenhuma partida se repete. Inclusive diante de mesmos lances, o jogador precisar criar mais e mais novas ideias a cada jogo. “Não existe tédio!, finaliza o professor.

 

 

 

 

Mais conteúdo sobre:

jogopedagogiaraciocínioXadrez