Servir ao próximo: uma experiência transformadora

Servir ao próximo: uma experiência transformadora

Colégio São Luís Jesuítas

31 de julho de 2019 | 17h11

Fundamento da Pedagogia Inaciana é vivenciado na prática pelos alunos do CSL

O trabalho voluntário no Brasil vem ganhando cada vez mais adeptos. Segundo dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada em 2017 pelo IBGE, mais de 7 milhões de brasileiros acima de 14 anos realizam algum tipo de trabalho social sem remuneração. Apesar de ter havido um aumento de quase 13% em comparação a 2016, a proporção de voluntários no País ainda é muito baixa (pouco mais de 4% da população).

Servir aos demais está na essência da missão da Companhia de Jesus, que segue o princípio de Santo Inácio de Loyola, seu fundador, de que “o amor se demonstra com fatos, não com palavras”. Por essa razão, a educação jesuíta busca formar cidadãos compassivos, que tenham a capacidade de ser solidários e assumir o sofrimento vivido por outros. Em seus mais de 150 anos de história, o Colégio São Luís sempre promoveu os valores comunitários por meio de atividades que motivassem a ação e o compromisso de seus alunos com as diferentes realidades do País. Por décadas, as chamadas “Experiências de Comunhão e Participação” e “Experiências de Fraternidade” envolveram os jovens em ações sociais dentro e fora de São Paulo. Uma delas, a Missão Rural, realizada até 2015, possibilitava aos estudantes do Ensino Médio uma imersão de cerca de 10 dias no cotidiano de famílias habitantes do interior do Brasil.

“Faz parte do processo de formação integral dos alunos do Colégio São Luís que eles conheçam e possam modificar a realidade em que vivem, com criatividade e compassividade, compreendendo que a mudança está, sim, em suas mãos”

Cleber Silveira, coordenador do Serviço da Fé e Espiritualidade (SEFE) do Colégio

Atualmente, a Missão Urbana, realizada desde 2016 com alunos do Ensino Médio nas férias de julho, proporciona aos jovens um exercício prático da compaixão e do serviço aos demais dentro da cidade de São Paulo. Na edição 2018, mais de 40 estudantes dos períodos diurno e noturno viveram por uma semana o cotidiano de duas instituições: Fé e Alegria, obra da Companhia de Jesus voltada a crianças e adolescentes carentes em Taipas, na zona norte de São Paulo; e Arsenal da Esperança, casa no centro da cidade que recebe homens em situação de rua. As atividades desenvolvidas pelos alunos incluíram dinâmicas, brincadeiras, momentos de espiritualidade e auxílio na organização e manutenção dos espaços.

Outro projeto de voluntariado, desenvolvido em parceria com o Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas, completou 10 anos de existência em 2018. Alunos e colaboradores visitam semanalmente os pacientes do IOT e promovem atividades focadas em seu bem-estar (conversas, leituras, brincadeiras, canções etc.). O trabalho conta com cerca de 20 alunos do 9.º ano do Ensino Fundamental II à 2.ª série do EM dos períodos diurno e noturno.

“Faz parte do processo de formação integral dos alunos do CSL que eles conheçam e possam modificar a realidade em que vivem, com criatividade e compassividade, compreendendo que a mudança está, sim, em suas mãos”, explica Cleber Silveira, coordenador do Serviço da Fé e Espiritualidade. Ao servirem à comunidade com o que são, e não apenas com o que têm, os jovens podem vivenciar uma experiência de autoconhecimento e de profunda reflexão sobre as desigualdades que os cercam, e, aos poucos, promover as mudanças de que o mundo tanto precisa. Confira o depoimentos de nossos alunos sobre as experiências:

 

“Vou levar para a vida a necessidade de ser mais solidário, de me colocar no lugar do próximo e enxergar outras realidades. Todo o trabalho social que fizemos no Arsenal da Esperança nos ajudou a dar sentido à vida. Amar os outros é o que dá sentido à vida.”

Gabriel Carvalho, aluno da 3.ª série do Ensino Médio Noturno

 

“O voluntariado no HC foi uma das experiências mais gratificantes que tive no CSL, pois ampliou os meus horizontes e definitivamente mudou quem sou agora. As visitas ao hospital me mostraram a diversidade que existe no mundo. São milhões de realidades e, muitas vezes, estamos preocupados só com a nossa.”

Giordano Gadelha, aluno da 3.ª série do Ensino Médio Diurno

 

“Depois de um mês como voluntário no Hospital das Clínicas, eu já estava apaixonado pelo trabalho. Sendo novo no Colégio, foi ali que formei minhas primeiras amizades. Conversar, tocar violão, brincar com as crianças, tudo aquilo me dava uma paz muito grande. Tudo o que vivi no hospital me ajudou muito a crescer como pessoa”

Theo Miguez, aluno da 3.ª série do Ensino Médio Diurno

 

“A gente sentiu que pôde levar um pouquinho de luz e amor para as crianças do Fé e Alegria. No começo algumas ficavam mais retraídas, com um pouco de medo, mas depois se abriam e você descobria um interior muito doce e delicado. Acho uma boa experiência para nos tornar conscientes do mundo ao redor.”

Giovana Andrade, aluna da 1.ª série do Ensino Médio Diurno

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: