Pais participam de conversa sobre preparação dos filhos para a vida acadêmica e para o mundo do trabalho

Pais participam de conversa sobre preparação dos filhos para a vida acadêmica e para o mundo do trabalho

Colégio São Luís Jesuítas

23 Outubro 2018 | 10h00

Evento integra o Projeto de Orientação Profissional

No último fim de semana de setembro, os pais puderam participar de uma conversa sobre o tema: “Que mundo é este que agora vivemos: como conhecer e preparar os jovens para a continuação dos estudos e para o mundo do trabalho?”. Mediado pelo Padre Carlos Contieri, Reitor do Colégio São Luís, o evento contou a presença de Cláudio Sassaki, cofundador e CEO da Geekie, plataforma de educação online; e Pedro de Santi, psicanalista e professor da ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing.

Em sua fala, Cláudio Sassaki observou que, diferente de décadas passadas, atualmente é preciso que o conteúdo se adapte à forma como cada aluno aprende. “Antigamente, os alunos copiavam e decoravam, mas depois da prova não retinham o conteúdo. Só a memorização não basta, é preciso uma educação mais personalizada. Um plano de estudos customizado pode melhorar o desempenho de um estudante em até cinco vezes”.

O CEO da Geekie também apresentou as 10 habilidades esperadas para o profissional do século XXI, de acordo com o Fórum Econômico Mundial: resolução de problemas complexos, pensamento crítico, criatividade, gestão de pessoas, empatia, inteligência emocional, resiliência, entre outras.

Ele ressaltou que as metodologias ativas, que exigem maior participação do aluno em seu processo de aprendizagem, podem ser muito úteis para desenvolver nos estudantes as competências para o mercado de trabalho do futuro, já que promovem um conhecimento aplicado a situações e problemas reais.

Cláudio também alertou as famílias quanto ao uso demasiado do celular, tablet e demais dispositivos. “As crianças observam os hábitos dos pais. É preciso partir de um combinado: deixar o celular de lado e dar atenção plena aos filhos. Assim, estaremos educando-os sobre o uso da tecnologia e reforçando valores familiares”.

Pedro de Santi reforçou o discurso de Cláudio ao afirmar que hoje as empresas procuram por profissionais com competências socioemocionais, não apenas com boa formação. Para o desenvolvimento dessas habilidades, no entanto, é necessário que os jovens amadureçam por meio da exposição progressiva a situações complexas. “Por medo, deixamos os filhos mal-acostumados e despreparados para os desafios. A função dos pais é ficar para trás e não deixar que o amor atrapalhe o curso natural da vida dos jovens”, disse, referindo-se ao processo de desenvolvimento da pessoa.

Para o psicanalista, os pais devem estar abertos a escutar os filhos, entendendo que na formação de sua individualidade um nível de frustração é sempre esperado e necessário. “Queremos que os filhos deem continuidade ao que gostamos em nós, que reparem as nossas feridas. Isso atrapalha o processo de transformação deles em seres autônomos e gera frustração, pois geralmente saem daquilo sonhado por nós. Um filho não vai virar uma pessoa se não frustrar um pouco os pais. Não podemos esperar que eles tenham certezas que nós mesmos não temos”.

Após a fala dos convidados, os pais puderam fazer comentários e perguntas. No encerramento da palestra, o Padre Contieri descreveu a manhã como “luminosa” e afirmou que as exposições dos convidados serviram para tirar os pais da zona de conforto e fazê-los pensar.