O desafio de falar em público

O desafio de falar em público

Colégio São Luís Jesuítas

18 Maio 2016 | 09h24

Alunos do 7º ano aprendem o formato “pecha kucha”, utilizado para apresentar o livro O Menino no Espelho 

A leitura do livro O Menino no Espelho, de Fernando Sabino, foi assimilada por alunos do 7º ano por meio de um trabalho desafiador: em grupos, eles prepararam uma apresentação sobre a obra no estilo “pecha kucha”. Já ouviu falar? Trata-se de um formato criado em 2003 por designers de Tóquio, em que são mostradas vinte imagens de vinte segundos cada, somando um tempo total de seis minutos e quarenta segundos de fala.

Após a leitura do livro, que se deu de forma individual, e com momentos de partilha em sala de aula, o projeto foi desenvolvido em seis aulas: duas para o planejamento, três para a montagem da apresentação no programa powerpoint e três para ensaio. Os grupos deveriam fazer uma análise do conteúdo e da estrutura do livro, falando sobre gêneros textuais, além de mostrar curiosidades sobre o autor e o contexto da obra.

Nos dias de apresentação, as aulas aconteceram em um auditório, não na sala de aula, o que fez aumentar ainda mais o desafio.  “A dinâmica requereu dos alunos a capacidade de compreensão de texto e síntese”, afirma a professora de português Fernanda Franco. Foi  muito significativa por envolver uma apresentação formal, em que os alunos se preocuparam com a postura, a oratória e o respeito aos colegas. Os alunos também fizeram a avaliação de seus pares, o que exigiu preparação para ouvir. Destaca-se ainda o uso de uma ferramenta tecnológica no percurso da aprendizagem, cujas imagens serviam de apoio à memória, trazendo elementos que ilustravam e enriqueciam a fala.

“Pela avaliação final, pude concluir que os alunos viram muito valor na atividade, especialmente os mais tímidos, que superaram o medo de falar em público por estarem em grupo e seguindo um formato dinâmico”, conclui a professora. Atividades como esta estão totalmente em linha com o que o Colégio São Luís se propõe: formar pessoas competentes, conscientes, compassivas, comprometidas e criativas.