Escolas de abordagem internacional, bilíngues ou com High School: o que diferencia uma da outra?

Escolas de abordagem internacional, bilíngues ou com High School: o que diferencia uma da outra?

Colégio São Luís Jesuítas

24 Abril 2018 | 12h28

Andrea Rodrigues, Coordenadora de Multilinguismo do CSL, fala sobre as diferenças entre escolas com currículo bilíngue, abordagem internacional e programas de High School.

*Por Andrea Rodrigues, Coordenadora de Multilinguismo do Colégio São Luís

O que é uma escola bilíngue? O que é uma escola internacional? Existe diferença entre elas? Essas certamente são perguntas que começam a se tornar frequentes nos dias de hoje.

A escola bilíngue tem por finalidade capacitar seus estudantes em uma segunda língua, oferecendo uma carga horária significativa de imersão em uma outra língua que não a do idioma materno. Além dos conteúdos do currículo ensinados no segundo idioma, uma escola bilíngue também oferece um ambiente no qual aquele idioma é falado fora da sala de aula. Em geral, há profissionais fluentes de diferentes áreas e alguns deles só utilizam a língua estrangeira para se comunicar com os estudantes. Todo o ambiente de aprendizagem deve conter estímulos e informações em ambas as línguas de instrução.

O aluno começa a convivência com a segunda língua já na Educação Infantil. Os professores de escolas bilíngues não são obrigatoriamente professores nativos da segunda língua. O importante é a fluência e a qualidade da imersão.

A carga horária de aulas ensinadas em uma segunda língua varia de escola a escola, mas a imersão e as vivências são, necessariamente, mais abrangentes que em escolas não bilíngues. Além do exigido pela legislação brasileira, as escolas bilíngues oferecem outros cursos (de livre escolha) ministradas em inglês.

Já as escolas internacionais têm sua origem na necessidade de atender filhos de imigrantes e expatriados descendentes de uma determinada nacionalidade. Com o passar do tempo, passaram a receber um significativo número de estudantes brasileiros e foram se reconfigurando como escolas multiculturais ou de perspectiva multicultural.

Hoje, as escolas identificadas como internacionais são ambientes que promovem aprendizagem dentro de um contexto mais globalizado, com um olhar na diversidade cultural. Seu currículo é mais abrangente e traz características e ofertas de disciplinas vinculadas ao país de origem, porém os conteúdos são trabalhados a partir de uma perspectiva mais global. Além da língua materna, há um forte enfoque no ensino de uma segunda língua (ou mais). Seu currículo apresenta um olhar mais amplo para questões que ultrapassam a cultura local, embora mantenha-se atrelado às legislações locais. Há um cuidado na preparação dos estudantes para o mundo globalizado, incluindo nos currículos programas de certificação internacional que permitem, àqueles que desejarem, continuar seus estudos fora do Brasil.

Muitas escolas com abordagem internacional e outras propriamente internacionais oferecem os programas desenvolvidos pelo IBO (International Baccalaureate Organization).

Os programas IB são pensados com foco em formar um cidadão para o mundo, com um pensamento crítico tanto da sua cultura como de outras. É uma proposta de formação que oferece uma preparação mais ativa dos estudantes, promovendo maior engajamento e entendimento de conceitos globais. Muitas universidades do mundo, inclusive brasileiras, aceitam o certificado do Diploma IB de candidatos às suas vagas (ele é oferecido na 1ª série do Ensino Médio). Os níveis de exigência de pontuação variam de lugar a lugar, mas em geral são todas universidades de alto padrão.

Outro programa que tem surgido no Brasil é o High School. O objetivo é oferecer ao aluno dois certificados: o do ensino médio brasileiro e o do norte-americano. Com o certificado do High School o estudante poderá concorrer a vagas em universidades americanas, canadenses etc. e também estará mais preparado para fazer exames como TOEFL, TOEIC ou até mesmo nem precisar fazê-los. Este programa se inicia no 9º ano do Ensino Fundamental e termina no final do 2º ano do Ensino Médio. O aluno terá algumas aulas em inglês no contra turno e as outras disciplinas do currículo brasileiro serão validadas por uma instituição de ensino do exterior.

Em qualquer um desses programas o aluno desenvolverá suas habilidades linguísticas e certamente uma grande fluência no idioma escolhido. Outro benefício essencial nos dias de hoje é o desenvolvimento de uma visão mais global. Um cidadão do mundo está mais apto a compreender os diversos contextos que se apresentam na sociedade contemporânea. Cada proposta apresentada proporciona ao aluno um ambiente com uma troca cultural mais rica e diversificada.

No caso do Colégio São Luís, estamos falando de uma escola que já pertence a uma rede internacional (com mais de 800 escolas e 186 universidades no mundo) e que passará a oferecer um programa de certificação internacional. Portanto, não se trata de uma escola bilíngue, mas o ensino da Língua Inglesa como segundo idioma terá um lugar privilegiado desde a Educação Infantil. A rigor, um estudante deverá chegar à 1ª série do Ensino Médio em condições de ser aprovado no exame de ingresso do Diploma IB e cursar, sem maiores dificuldades de proficiência, as disciplinas lecionadas naquele idioma. Dentro desta perspectiva o Colégio São Luís será uma escola com abordagem internacional, que terá um currículo no Ensino Médio que contemplará aspectos internacionais no seu conteúdo e enfoque de ensino-aprendizagem.