Qual a importância da Educação Física para adolescentes?

Qual a importância da Educação Física para adolescentes?

Escola Santi

20 de julho de 2020 | 08h30

Praticar atividades físicas e esportes, não importa quais sejam, traz diversos benefícios não apenas para o corpo, mas também para mente e para as relações humanas, afinal, como diz o ditado, “mente sã, corpo são”. Apesar de muitas vezes serem vistas apenas como uma brincadeira, as aulas de educação física, parte integral do currículo da maioria das escolas, servem justamente para esse propósito: proporcionar momentos para que os jovens possam utilizar sua energia para se movimentar e se expressar regularmente. Esta tarefa se mostra ainda mais relevante quando os alunos atingem o Fundamental 2, período em que diversas questões relacionadas ao corpo começam a surgir e tornam-se parte de suas vidas.

Por que atividades físicas são tão importantes durante o Ensino Fundamental 2?

A prática de atividades físicas favorece os mais diversos aspectos da nossa saúde. Ao estimular  o desenvolvimento motor e cognitivo, nossos alunos:

  • Criam maior disposição para o dia a dia
  • Desenvolvem melhor condicionamento físico
  • Aprimoram os reflexos e até mesmo a capacidade de raciocínio

Porém, apesar de os benefícios físicos serem mais claros e perceptíveis, o professor e treinador Diogo Oliveira, conta que a educação física também pode auxiliar no desenvolvimento de competências e habilidades sociais e psicológicas entre eles, estimulando diversos aspectos da expressão corporal e trabalhando diversos aspectos individuais e sociais:

  • Ajuda na construção da autoestima, da autoconfiança e do autoconhecimento
  • Melhora o relacionamento e o respeito com o próprio corpo
  • Contribui com a interação social e com a relação entre colegas
  • Desenvolve caráter e o espírito esportivo
  • Reduz a pressão e o estresse do dia a dia

“Do ponto de vista físico, o exercício libera hormônios que causam bem-estar; do psicológico, aumenta a confiança, pois se pode ver que com esforço e trabalho diário há evolução”, explica o professor. “Nossa expectativa é que os alunos sejam capazes de tomar decisões e solucionar problemas do seu cotidiano e de seu ambiente, buscando uma formação ética e reflexiva, entendendo e participando das diferentes manifestações da cultura corporal. Ganhar, perder, errar, jogar com a incerteza… são situações comuns na vida.  Ao elaborar diferentes formas de fazer uma mesma tarefa, cria-se mais repertório para enfrentar situações adversas”, completa.

E como são as aulas de Educação Física na Santi?

Na Santi, o projeto de Educação Física do F2, desenvolvido gradualmente com as turmas de 6° ao 9° ano, tem como objeto de estudo as diferentes formas de representação do mundo através do corpo. As aulas podem ser facilmente ligadas a temas atuais, estimulando o aluno a estudar e participar. Com estes temas, espera-se que esses jovens sejam capazes de compreender as diversas maneiras de como interagem com o meio social e físico, influenciando e sendo influenciado por aspectos como culturas, valores, tecnologias e práticas, sempre estimulando o protagonismo dos alunos e acolhendo suas dúvidas e curiosidades.

Para Diogo, as aulas servem para que os alunos participem de atividades corporais, e mantenham relações construtivas e equilibradas com os colegas, respeitando as características físicas e desempenho de cada um, sem discriminação e sem preconceito, valorizando a cultura do movimento e conhecendo de maneira crítica a história e as regras dos jogos, esportes, lutas e atividades rítmicas. Desta forma, é possível estabelecer parceria com outras áreas e trabalhar diversos conteúdos de forma conjunta com outros professores. “O interesse aumenta a partir do momento que o estudante consegue enxergar a importância e a aplicabilidade do que está sendo passado em aula e na sua vida”, finaliza o professor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: