Os direitos das crianças

Os direitos das crianças

Escola Santi

25 Janeiro 2017 | 17h14

Crianças de 8 anos divulgam seus direitos depois de estudo sobre o tema em ciências sociais

O que é direito? Quais são esses direitos? Quem disse que vocês têm esses direitos? Foi a partir dessas questões que os alunos dos 2º anos da Escola Santi começaram a refletir sobre o tema “Os direitos das crianças”.

Antes disso, ao com a abordagem ABP (Aprendizagem Baseada em Projetos), ou PBL (Project Based Learning), nós, professoras, tínhamos outras questões igualmente importantes: como tratar sobre o tema cidadania os alunos do 2° ano? Como sensibilizá-las para as diferenças entre a infância de crianças de diferentes realidades? Será que as crianças sabem que têm direitos? Sabem da diferença entre direito e combinado? Será que eles sabem que nem todas as crianças brincam, estudam…? Enfim…o assunto começou a mexer com a gente, adultos! Decidimos então, dividir essas inquietações com as crianças e iniciamos o estudo de Ciências Sociais sobre “Os direitos das crianças”.

A ideia foi envolver os alunos na reflexão dos direitos das crianças, usando as questões citadas acima para iniciar a discussão. Com isso, nossa expectativa era que ao longo do projeto as crianças se sensibilizassem com essas questões e ao final pensassem em uma maneira de divulgar esses direitos na comunidade infantil. Esse projeto também as ajudaria a desenvolver competências relacionadas a cognição, como por exemplo capacidade de análise, argumentação e interpretação. Além de competências de relação intrapessoal, como a responsabilidade pessoal e social e a relação interpessoal, como trabalho em equipe.

20161003_142621.2

Iniciamos o projeto com uma roda de conversa na qual lançamos as questões disparadoras e ouvimos o que as crianças tinham a dizer sobre esse assunto. Ficamos impressionadas com a qualidade e a maturidade das respostas. Um dos alunos disse “Temos o direito de ir ao banheiro” e o outro questionou “Mas, isso não é bem um direito e sim, uma necessidade”. Ao serem questionados sobre quem disse que eles tinham direitos, Aline B. disse “Nós percebemos que temos direitos. As pessoas demonstram que a gente tem direitos”.

A próxima etapa do projeto foi apresentar e ler para as crianças os 10 direitos básicos e garantidos por lei, e começar a ajudá-los a tomar consciência da grandeza e da importância desse assunto. Essa foi uma das etapas mais tocantes do projeto. Foi possível perceber no olhar das crianças o quanto mexeu com os sentimentos deles saberem que existem crianças que não frequentam a escola, mesmo tendo esse direito, porque precisam trabalhar para ajudar no sustento da família, por exemplo.

Outra etapa do projeto foi conversar justamente sobre porque esses direitos muitas vezes, não são cumpridos. Apresentamos a eles algumas fotos de crianças vendendo bala no farol e mais uma vez, fomos surpreendidas com as respostas. “Eu fico muito triste ao ver uma criança trabalhando” disse Murilo T. “Quando eu vejo, peço para minha mãe comprar, porque tenho medo que o adulto que mandou ele fazer isso, brigue com a criança” disse Tiago F.

direitos

Sensibilizados e mobilizados em fazer alguma coisa para ajudar essas crianças, os alunos começaram a pensar em uma forma de contar para todas as crianças que elas têm direitos garantidos por lei e que podem reivindicá-los. Abrimos uma roda e as ideias começaram a surgir: Cartazes, músicas, vídeos e até rap! Decidiram primeiro, fazer cartazes mas aí… “Se os direitos são para as crianças, como as crianças que ainda não sabem ler irão conhecer os direitos?!” disse Larissa M. Ficou decidido então que iriam produzir um vídeo e que os direitos seriam lidos pelas próprias crianças. Dividimos os 10 direitos entre as quatro turmas de 2º ano e cada grupo, organizou sua parte do vídeo. Com a ajuda de dois alunos do Ensino Fundamental 2, editamos o vídeo juntando a parte de cada turma. Depois, divulgamos o vídeo para as outras turmas da Escola. Foi um sucesso!

O que fica desse projeto é o envolvimento e a parceria dos alunos. Sem o seu comprometimento e ideias, o produto final não teria provocado o significado que provocou. Plantamos neles mais uma semente, a do amor ao próximo. O nosso vídeo, infelizmente, não irá mudar a situação das crianças do nosso país, do nosso mundo, mas, é preciso dar o primeiro passo, não é possível lutar por um ideal que desconhecemos e os 10 direitos das crianças já não são mais desconhecidos pelas crianças da Escola Santi.

Ah, lembra da ideia do rap, para usar na divulgação…

 

“Os direitos das crianças todos tem que respeitar!
          A gente se esforçou para poder te contar.

 Toda criança tem direito de estudar.
          Também é importante elas poderem brincar.

 O vídeo já está no ar, dá para ver no celular!

Esse é o vídeo do 2º A, B, C, D!!!!”

Assista abaixo o vídeo sobre os direitos das crianças feito pelos alunos do 2º ano!

Professora Tatiane Sousa – 2º ano D