Alunos do 7º ano realizam exposição fotográfica na PUC-SP

Alunos do 7º ano realizam exposição fotográfica na PUC-SP

Escola Santi

28 de junho de 2019 | 12h47

Com a mostra, os estudantes propõem aos visitantes a seguinte reflexão: “É possível conciliar desenvolvimento e preservação?”

 

Ao longo de quatro anos, entre 2015 e 2019, estudantes do 7º ano, da Escola Santi, em São Paulo, visitaram a região do Vale do Ribeira, mais especificamente as cidades de Cananeia, onde fica a Ilha do Cardoso, e Iguape, por conta de projeto de estudo integrando as disciplinas de Ciências Naturais, História e Geografia. O objetivo é investigar a ação do homem nestes ambientes de beleza natural ao longo da história.

Este estudo gerou, além de uma coleta de dados significativos sobre a ação do homem nesta região ao longo destes anos, um resultado artístico que poderá ser conferido por meio de uma exposição de fotos, montada no campus da PUC-SP. Intitulada “É possível conciliar desenvolvimento e preservação?”, a mostra reúne fotos – feitas em março de 2019 – dos alunos com idades entre 12 e 13 anos, que também assinam a curadoria, sob orientação dos professores Stefan Bovolon, Lucas Oliveira, Andrea Spörl e Sandra Avelar.

A exposição, que será aberta dia 28 de junho, recebe visitantes dia 31 de julho, com entrada gratuita, de segunda a sexta, das 7h30 às 22h e aos sábados, das 8h às 17h.

Dados e Análises – Os registros fotográficos dialogam com as informações coletados e analisadas pelos alunos e alunas nos últimos anos na região. As pesquisas mostram a diminuição de 55% da quantidade de plantas e de 10% da diversidade de espécies na Ilha do Cardoso. Em relação aos animais, constatou-se a diminuição de 70% da quantidade. A boa notícia é que em relação à diversidade de espécies houve estabilidade.

Para esta aferição, foram utilizadas medições por quadrantes em cada ecossistema que compõe a Mata Atlântica da região. “Tais dados nos alertam em compreender como impactam o equilíbrio ambiental, ano após ano. E, como podemos intervir para provocar melhorias nessa realidade, tanto para o ambiente como para a população. Além de também demonstrar o papel da imagem fotográfica como importante e potente instrumento para o ensino e aprendizado em diversas áreas do saber”, explica o professor Stefan Bovolon. 

Viagem à Ilha do Cardoso – No estudo do meio da Ilha do Cardoso, os estudantes da Santi foram até a região do baixo Vale do Ribeira para investigar as cidades de Cananeia e Iguape, que apresentaram grande importância econômica no século XVII, principalmente com os ciclos econômicos de mineração e posteriormente com o arroz. Os estudantes também visitaram o Parque da Ilha do Cardoso, local de rica diversidade ambiental.

“A Ilha do Cardoso mostrou-se um lugar que contém vários ecossistemas como manguezal, restinga, mata de encosta, praia, pertencentes ao Bioma da Mata Atlântica, e seres vivos diferentes, nunca antes vistos por nós. Pudemos identificar a fauna e a flora, aprendendo mais sobre a economia local (pesca, ecoturismo) e refletimos sobre a questão que acabou por nortear a exposição: É possível conciliar desenvolvimento e preservação?”, completa o professor Stefan Bovolon.

Desastre ambiental de Valo Grande – Uma das reflexões, que gerou o questionamento que dá título à exposição, está justamente em um evento marcante para a região, que mudou e ainda muda o seu contexto: O Valo Grande, o maior desastre ambiental do séc. XIX, criado para transportar mercadorias entre o porto da região e o Rio Ribeira. Devido à força erosiva do rio, ocorreu um assoreamento, declinando com a economia regional. Por consequência, atualmente o Vale do Ribeira é a região mais pobre economicamente do estado de São Paulo.

EXPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA – É POSSÍVEL CONCILIAR DESENVOLVIMENTO E PRESERVAÇÃO?

Fotos e curadoria: Alunos do 7º ano da Escola Santi (idades entre 12 e 13 anos)

Supervição: professores Stefan Bovolon, Lucas Oliveira, Andrea Spörl e Sandra Avelar

Local: Campus da PUC-SP – Saguão de Entrada da Biblioteca

Endereço: Rua Monte Alegre, nº 984

Em cartaz até: 31 de julho

Horários: segunda a sexta, das 7h30 às 22h e aos sábados, das 8h às 17h

Entrada Franca

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: