Alunos da Santi utilizam a arte urbana para chamar a atenção sobre problemas da cidade

Alunos da Santi utilizam a arte urbana para chamar a atenção sobre problemas da cidade

Escola Santi

08 de novembro de 2019 | 14h43

Por meio de linguagens como grafite e poesia, trabalho interdisciplinar  terá novas intervenções pela ruas do bairro do Paraíso

Utilizar a arte urbana contemporânea para chamar a atenção, questionar e discutir os problemas da cidade. Em síntese, esta é a proposta de dois projetos que os alunos do 5º ano, vêm desenvolvendo no entorno da escola, em vivências fora da sala de aula, tendo à frente a professora de Artes, Sandra Avelar.

Este trabalho interdisciplinar teve início ao longo das aulas de Artes Visuais e os estudos de Ciências Sociais, tendo como objetivo desvendar relação entre público e privado, a legislação e a formação de leis. Alguns projetos de lei foram sugeridos pelos próprios alunos e alunas durante as aulas.

Após uma saída pelo bairro para diagnosticar seus principais problemas, as crianças notaram questões como lixo na rua, raízes de árvores tomando as calçadas, árvores confinadas no concreto, fiação exposta, falta de sincronia entre semáforos de carros e pedestres, entre outros transtornos. Desta maneira, os estudantes decidiram chamar a atenção de uma forma artística e criativa.

Ao notar que algumas das calçadas do entorno da escola não possuem rampas para os cadeirantes, os estudantes realizaram a intervenção urbana Sem Rampa, Calçada é Muro, inspirada pela ONG homônima. Uma das calçadas da rua Abílio Soares foi, então, grafitada, utilizando-se estêncil e muitas cores.

“Se a calçada sem rampa é vista como muro pelos cadeirantes, então muro tem que estar pintado com grafite. Este foi o pensamento dos alunos para alertar, de forma criativa e artística, sobre esta questão de mobilidade urbana”, explica a professora Sandra Avelar. “A arte urbana é típica das cidades grandes, assim como seus problemas. Utilizar a arte urbana para chamar a atenção da comunidade foi a escolha dos alunos”, complementa a professora.

Poesia no Poste – Outra atividade unindo arte e cidadania desenvolvida pelos alunos é a “Poesia no Poste”. Também interdisciplinar reunindo Língua Portuguesa e Artes Visuais, o projeto teve início após uma visita das crianças ao Centro Cultural São Paulo. Lá, eles tiveram a oportunidade de conhecer e vivenciar a diversidade cultural de São Paulo e se inspirar, com base na pergunta: onde está a poesia?

Desta maneira, eles fotografaram muros grafitados, vendedores de livros, além de entrevistar pessoas e figuras que marcam a vida artística da capital. Em seguida, ao produzir materiais sobre esta “vivência artística”, os estudantes decidiram que deveriam devolver este aprendizado sentido e aprendido para a cidade, em forma de poesia.

Utilizando lambe-lambe para as poesias e grafite (com spray e estêncil) para as pinturas, os estudantes pintaram dois postes na rua da escola, dando vida a uma poesia concreta, num trabalho coletivo.

Tendências: