Vínculos na Educação Infantil em tempos de quarentena

Vínculos na Educação Infantil em tempos de quarentena

Colégio Santa Maria

03 de junho de 2020 | 07h30

Autoria: Elizabeth Nishiyama Muniz

 

Toda experiência de aprendizagem se inicia com uma experiência afetiva” – Rubem Alves

 

Devido à pandemia, o distanciamento social nos colocou numa outra realidade, em que foi preciso ressignificar o vivido para nosso bem-estar e o das pessoas com quem convivemos. Em relação à escola, isso está sendo essencial para manutenção dos vínculos com as crianças e suas famílias.

Nesse sentido, nos reinventamos por meio de encontros via plataformas em lives com as crianças da Educação Infantil do Santa Maria, nos quais sempre trocamos conversas, sentimentos e muito afeto. As crianças mostram-se interessadas em conversar com os amigos e professores, dizer como estão se sentindo, apresentar irmãos, animais de estimação, brincadeiras e construções que fazem em casa com seus familiares.

Acolher, escutar, colocar-se em relação com crianças e suas famílias… Conexões que já havíamos iniciado de forma presencial na Escola, mas que tivemos que reinventar para essa nova realidade, com encontros virtuais para dialogar com as famílias sobre dúvidas, inseguranças e angústias. Um acolhimento importante para atender as necessidades individuais e sobre como estão se sentindo: cuidar de quem cuida das crianças! Segundo Faria e Salles (2012, p.44): “Desse modo, torna-se claro também que quanto mais forte a parceria entre a família e a instituição, mais positivo e significativo será o resultado na formação do sujeito”.

Acompanhe abaixo alguns relatos de famílias sobre suas impressões em relação à escola e ao distanciamento social:

“Nesse cenário tão complexo, onde todos estão se adaptando às novas realidades impostas pela covid-19 e pelo isolamento social, a Escola apresentou uma proposta muito especial, com muito carinho e, ao mesmo tempo, muito viável para as crianças que estão na pré-alfabetização: encontros online, vídeos diários das professoras, apresentando a rotina pra facilitar a compreensão e independência dos alunos, sempre através de propostas divertidas e personalizadas para a turma e, ao mesmo tempo, com muita flexibilidade para as famílias. Estou me sentindo muito acolhida e vendo o desenvolvimento de meu filho acontecer!”  – Larissa Santos Battistini, mãe do Mateus Santos Battistini (Pré).

 

“Eu estou muito feliz com o acolhimento da Escola. Entendi que foi um desafio para a equipe pedagógica estudar um jeito de estar próxima das crianças, prender a atenção e manter o interesse. Apesar do momento, acho que conseguiram se manter presentes na vida dos pequenos e mais próximos na vida das famílias, o que tem me deixado muito satisfeita! Apesar de o espaço do Santa e os amigos fazerem falta (o Rafa sente saudades todos os dias), só tenho a agradecer a dedicação dos professores!” – Ana Paula Arias Saito, mãe do Rafael Arias Saito (Pré).

 

“Acolhimento é quando nossa alma se sente abraçada, é proteção. É acolher quem precisa, sem escolher ou dar preferência, era o que eu sentia quando via meus amigos no primeiro dia de aula do ano. É acolher com sentimento…” (João Doederlein).

 

Gratidão a todas famílias pelo apoio e parceria em fazermos “reinvenções” para que as crianças continuem com os vínculos com professores e amigos. Sigamos de mãos dadas para nosso bem comum: as crianças!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: