Um grupo que nasce – as crianças e os grupo sociais na escola

Um grupo que nasce – as crianças e os grupo sociais na escola

COLÉGIO SANTA MARIA

05 de março de 2020 | 07h30

Autoria: Gisele Coli e Karine Ramos

 

Primeiro mês de aula… Alguns pais e crianças já conhecem o Colégio, algumas crianças estudaram juntas no Jardim I, outras estão chegando ao Santa Maria, e como será essa nova experiência? As curiosidades sobre os novos amigos, as professoras e as salas de aula permeiam todas as famílias.

 

A família é o primeiro grupo social que frequentamos: pais, mães, avós, tias, tios, irmãos entre outros parentes. O mundo da criança é a casa dela, a casa da vovó, seus brinquedos e seu quarto. Para algumas, o segundo grupo social é a escola. Crianças longe de seus entes queridos e próximas de outros adultos e crianças desconhecidas. É uma experiência nova para todos. Um vínculo que vai se formando aos poucos, construído dia a dia, tijolinho por tijolinho.

 

Depois de algum tempo, com os laços fortalecidos entre crianças, professores e familiares, o grupo é formado. E é nessa nova formação que podemos perceber a riqueza e a oportunidade de conhecer e aprender com hábitos e culturas diferentes dos nossos. Criamos vínculos de amizade, de confiança e parceria. Vínculos que muitas vezes ultrapassam os muros da escola; as famílias se aproximam, tornando-se amigas e parceiras.

 

Veja nesses relatos a grandiosidade das relações e a importância da escola nesse novo grupo social:

 

“Barreiras que ultrapassam o limite das salas de aula, famílias que se unem para churrasco no final de semana, piqueniques, viagens. Fomos nos conhecendo e nos ajudando muito durante o ano; quando tinha alguma atividade que os pais tinham que mandar para a escola, nos reuníamos e fazíamos não só os de quem estava presente, mas também daqueles que não tinham tempo“ – Moara ieira, mãe do Vitor (Pré) e da Juliana (2º ano)

 

“Imagine 20 mães com filhos da mesma idade juntas? Você sabe bem no que dá: o famoso, ‘as mães da escola’. Só quem tem as suas amigas ‘mães da escola’ sabe sobre o que estou falando. Dividir as alegrias da maternidade, as dúvidas, as conquistas e os medos se torna algo natural. Mães que se acolhem de verdade, que vibram umas pelas outras, se ajudam, se apoiam, que reclamam e morrem de rir juntas. A gente acha que os nossos filhos farão os primeiros amigos (aqueles que os acompanharão por tooooda a infância) mas, de repente, a gente reconhece que ‘depois de velha’ ganhou sim novas amigas de infância. Que sorte a nossa!” – Milena Artea, mãe do Henrique (2º ano) e da Maria Fernanda Jardim II)

 

“Normalmente a relação entre as mães começa com uma mensagem no celular mais ou menos assim: ‘oi, meu filho queria convidar o seu para brincar uma tarde aqui em casa’ e a partir daí as mães começam a marcar passeios no shopping, lanchinho da tarde, manhã no parque… e quando vemos os vínculos já estão criados. Meu filho tem um grande amigo na escola e através deles descobrimos que os avós do amiguinho são vizinhos dos avós do meu filho… então a relação familiar nesse caso foi além das mães, chegou aos avós também. Outra coisa importante é a relação de network que a gente desenvolve por causa dos filhos. Hoje tenho amigas corretoras, advogada, doceira, personal trainer… e quando preciso é com elas que conto. E o fato do Santa mudar as turmas das crianças todos os anos faz esse círculo de amizades crescer cada vez mais, pois a cada ano conhecemos mais famílias” – Amanda Mônaco, mãe da Maria Eduarda (6º ano) e do Matheus (2º ano)

 

Amigos da escola que se transformam em amigos da vida toda! Desejamos a todos que estão nesse processo lindas e novas relações.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: