Tecnologia digital + laboratório = parceria perfeita

Tecnologia digital + laboratório = parceria perfeita

COLÉGIO SANTA MARIA

20 de março de 2020 | 07h30

Autor: Marcos Vinícius Appollo

Na grande maioria das vezes quando nós, professores e professoras da área de Ciências da Natureza do Santa Maria, falamos que a aula será no laboratório, as reações das alunas e alunos sempre é de muita euforia. Vou relatar uma situação em que consegui aliar uma aula de laboratório com um aplicativo chamado Kahoot que funciona como um quiz em tempo real que os estudantes acessam e respondem por meio do celular.

A primeira parte relacionada ao laboratório já é uma criação antiga, pois aproveito situações com vasos comunicantes para explicar o conceito de calor e de temperatura. Vasos comunicantes é um nome bonito para uma das aplicações do princípio de Stevin. São instrumentos compostos por dois ou mais recipientes, contendo um ou mais líquidos que são interligados por uma espécie de conduto. No nosso caso, foi uma sequência de várias transmissões de líquidos (água) de diversos recipientes para outros.

Os recipientes apresentavam uma situação inicial e depois verificava-se o que acontecia, caso uma mangueira cheia de água fosse mergulhada em ambos. A intenção era relacionar a altura da água com a temperatura e a água transferida como o calor, uma vez que o recipiente que sempre recebe água será o que tiver nível mais baixo (analogamente: mais frio) e o conceito de calor é exatamente da energia em trânsito (no caso, apenas a água que flui do recipiente com a altura maior de água para o de menor). Para incrementar o experimento, foi utilizado corante na água para uma melhor percepção da água transferida.

Calor na visão científica é apenas a energia que sai do corpo mais quente que se direciona para o corpo mais frio. Podemos comparar, por meio de uma analogia, a transferência de uma conta bancária para outra. Nessa situação, não se leva em consideração os saldos das contas antes e depois da transferência, mas apenas o valor transferido.

No laboratório, foram apresentadas as várias situações. Em algumas situações, com volumes iguais e, em outras, com volumes diferentes. Enquanto os exemplos eram com recipientes iguais, era mais fácil de se prever para onde a água fluía: do que tinha mais para o que tinha menos. Porém, quando os recipientes eram diferentes, o que determinava era o que tinha a maior altura de água, e não o que tinha maior volume, no caso, para a termologia, o recipiente com altura maior era o mais quente e o de menor, o mais frio.

Até este ponto foi apresentada a Física envolvida na vivência dos estudantes e que já é feita há tempos. O que houve de novo neste ano foi acrescentar a dinâmica das perguntas feitas em tempo real. Usei um programa/aplicativo chamado Kahoot. Preparei as perguntas de cada situação apresentada no laboratório e as alunas e alunos, em grupos de três integrantes, precisavam chegar à conclusão do que aconteceria por meio da escolha de uma das alternativas. O aplicativo considera o acerto e também o tempo de resposta, com isso ele fornece para o grupo as respostas e pontos em tempo real. Depois do tempo máximo estipulado de cada pergunta, verificávamos o que acontecia na prática com cada etapa do experimento. Conseguíamos acompanhar o ranking dos grupos e qual a alteração que acontecia a cada questão finalizada. O programa tem o cuidado também de não expor os grupos de pior desempenho. Em outras aulas perguntei se a dinâmica proposta do Kahoot era bem-vinda: a grande maioria da classe respondeu que era muito interessante e ajudava bastante no envolvimento da aula. Fica a dica!

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: