Superação e entrega

Superação e entrega

Colégio Santa Maria

27 Julho 2015 | 08h00

Alunos do 9º ano fazem trabalho voluntário durante as férias no Vale do Ribeira

2707_DSC_0017_3 2707_DSC_0046

O caminho se faz ao caminhar. “Acreditamos que a melhor maneira de aprender a viver é vivendo. Nesse aspecto, a Escola tem que oferecer a oportunidade para seus alunos, vivenciarem realidades diversas às que estão acostumados e, ao mesmo tempo, descobrir as diversas riquezas que nessa aproximação existem”, declara o professor do Santa Maria, José Antônio P. Cervigón.

Assim sendo, no final de junho e começo das férias de julho (de 29/06 a 03/07), um grupo de voluntários do 9º ano do Fundamental II viajou até a cidade de El Dorado, no Vale do Ribeira, para realizar atividades de promoção humana em quilombos e algumas escolas rurais da região. E por que chamamos de promoção humana? “Simplesmente porque, com a entrega e dedicação de nossos alunos, as pessoas com as quais convivemos sentiram-se valorizadas e importantes. Imaginem só: um grupo de jovens de São Paulo dedica um tempo para conviver com eles! Já pensaram o que isso significa?”, explica o professor.

Os jogos e brincadeiras, cantigas, dramatizações e contação de histórias auxiliaram na aproximação e na troca de vivências. As invisíveis “barreiras” do preconceito, do se sentir superiores e outras foram caindo pelo chão e os olhares iam mudando ao longo desses cinco dias. Os voluntários percebiam que eles tinham qualidades que nem suspeitavam e, ao mesmo tempo, percebiam que na entrega eles recebiam muito mais do que davam. Vale citar que o Projeto não tem como objetivo o “paternalismo”, isto é, a doação de alguma coisa que sobra e que simplesmente serve para “tranquilizar a consciência”. “Pretendemos que o aluno cresça em responsabilidade e perceba que ele pode ser um agente de transformação”, revela Cervigón.

2707_DSC_0102 2707_DSC_0131

O grupo foi muito bem recebido em todas as escolas que contaram com as atividades. Foram inúmeras aprendizagens e superação de limites ao longo desse trabalho, que começou logo no início do ano letivo quando os alunos do Santa Maria receberam o convite. Os que se ofereceram tiveram que participar das diversas atividades preparatórias: iam semanalmente à ADERE, entidade que trabalha com deficientes intelectuais, aprenderam músicas e cantigas, jogos e brincadeiras, contar histórias e assim por diante. Tiveram também que se mobilizar para arrecadar o necessário para custear o Projeto. A assiduidade e dedicação demonstradas foram essenciais. O grupo retornou feliz e já com um desejo de querer voltar, dar continuidade.