Se muito vale o já feito, mais vale o que será  

Se muito vale o já feito, mais vale o que será  

COLÉGIO SANTA MARIA

21 de fevereiro de 2020 | 09h03

Já falamos nesse espaço sobre o trabalho que a Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas desenvolve com as Saídas de Estudos no Ensino Médio do Santa Maria. Hoje queremos falar de alguns desdobramentos muito interessantes que confirmam nosso propósito de entender a Educação como uma ação dialógica e dialética, que se retroalimenta no calor do “fazer”, que nos obriga – discentes e docentes – à prontidão, estarmos alertas ao que acontece ao redor, comprometidos com o presente.

 

O primeiro desses efeitos colaterais foi o alargamento do Estudo. O que antes tinha como ponto de partida as saídas com as turmas para reconhecer e discutir os “Lugares de Memória” e, como chegada a entrega dos trabalhos em grupo, foi ganhando ao longo dos últimos anos um fôlego maior. Em 2019 caprichamos em atividades de preparo e aquecimento com aulas de introdução ao tema da Ditadura Civil-Militar, oficina de roteiro de documentário, debate com diretor e atrizes da peça de teatro Villa, discussão em grupo de textos teóricos em torno do tema-eixo 40 anos da Lei de Anistia e o Processo de Redemocratização do Brasil.

 

Mas, também não nos esquecemos do pós. Entre os meses de agosto e novembro aproveitamos todas as oportunidades que encontramos para alargar a experiência do Estudo. Revisitamos o antigo DOI-Codi, agora com monitoria da professora Deborah Neves, que nos abriu o prédio para conhecermos as celas que um dia abrigarão um novo memorial do período. Conhecemos a exposição montada pelo Itaú Cultural sobre a trajetória do jornalista Vladimir Herzog com monitoria de seu filho, Ivo Herzog. Fizemos ainda dois cines-debates em torno de dois novos e distintos documentários (o espanhol O Silêncio dos Outros e o brasileiro Pastor Cláudio).

 

Nesse meio tempo repetimos a experiência do Projeto Duo, só que ampliando sua função. Convidamos o professor Marcos Iki para fazer uma oficina sobre a música dos anos 60-70, o que aprofundou o conhecimento sobre o período, mas também para falar do papel da trilha-sonora na confecção dos curtas-documentários que finalizam o Estudo da 3ª série.

 

Quando parecia que já tínhamos abocanhado tudo sobre 1979, a fortuna nos colocou mais um desafio. Soubemos que a biografia do operário Santo Dias seria relançada nos 40 anos de sua morte. Santo Dias da Silva, trabalhador rural, migrante do interior de São Paulo, católico militante, integrou o movimento de trabalhadores nos anos 70 (num contexto em que tudo era proibido) e encontrou o seu lugar na Pastoral Operária na Zona Sul da cidade. Ao lado de Ana Maria Dias, sua companheira de todas as lutas, integrou o Movimento Contra a Carestia, que a partir de 1976 procurou denunciar os limites da propaganda do sucesso do Milagre Econômico que embalou a Ditadura Civil-Militar a partir de 1967. Com os efeitos da crise internacional do petróleo, esses limites batiam à porta de muitas brasileiras e brasileiros: crescimento da inflação, endividamento das famílias, desemprego, pobreza. Acolhida pela Igreja Católica, a periferia do Brasil se organiza, fura a bolha da repressão, encontra-se, politiza-se e inventa instrumentos de mobilização. Quando essa experiência se avoluma, essas pessoas precisaram de um espaço maior para discutir caminhos. É aí que entram algumas instituições que não se furtaram ao papel corajoso para a época de fazer a opção pelos mais vulneráveis –  como o Colégio Santa Maria que sediou a Assembleia do Custo de Vida em 20 de junho de 1976.

 

Santo Dias foi assassinado pela Polícia Militar no cerco ao piquete em frente à Fábrica Sylvânia, na Rua Quararibeia, ao lado do Cemitério do Campo Grande, tudo pertinho do Santa Maria. A coragem de Ana Maria Dias impediu que seu corpo fosse “desaparecido”, coisa comum naquela época. D. Paulo Evaristo Arns impediu o silêncio e amplificou a denúncia, como já o fizera nas mortes de Herzog em 1975 e Manoel Fiel Filho em 1976. As Irmãs de Santa Cruz abraçaram a família Dias confirmando o Carisma de sua obra.

 

Quando conhecemos Maria José Azevedo Nair Benedicto (ex-aluna bolsista do Santa Maria, jornalista, co-autora de Santo Dias: quando o passado se transforma em História) e Luciana Dias (filha de Santo Dias e autora), nasceu a ideia de participar da homenagem que acontece todos os anos no dia 30 de outubro, data da morte de Santo Dias. Na calçada de um condomínio residencial (que tomou o lugar da fábrica) onde seu corpo tombou, hoje existe uma placa demarcando os acontecimentos. Esse Lugar de Memória é visitado todos os anos por um monte de gente: velhos companheiros operários, jovens estudantes, membros do clero católico progressista. Em 2019 estivemos lá comungando com essas pessoas e, depois, recebemos as autoras numa revisita à escola.

 

Para quem pense que esse assunto nada tem a ver com o que fazemos no Ensino Médio, saiba que falar de Santo Dias relaciona-se bem de perto com o Projeto de Estudo do Meio da 3ª série, que prioriza exatamente o debate sobre o papel do esquecimento e a importância da Memória como ferramenta da construção da Democracia brasileira.

 

Para celebrar esse compromisso democrático, no dia 1 de novembro de 2019, promovemos o encontro do máximo possível de pessoas, no espaço do Ensino Médio do Santa Maria. De um jeito o mais informal possível, nos sentamos com Ana Dias, Luciana Dias, Jô Azevedo, Padre Luigi Giuliani, Sister Diane Cundiff e Irmã Michael Nolan para um misto de conversa, relançamento com autógrafo das autoras, coleta de testemunhos daquele tempo e exibição dos curtas produzidos pelas alunas e alunos da 3ª série. Mas, sobretudo, uma manhã de celebração da vida, (co)memoração dessa História que aproximou a solidariedade cristã e a necessidade de luta de um povo por condições de vida dignas e por liberdades democráticas.

Que sorte a nossa. Ventura para o final do Projeto. Bom saber com quem andamos, quem ladeamos no presente, quem estará conosco num futuro mais justo, diverso, equânime.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: