Respeitando os ritmos e as emoções

Respeitando os ritmos e as emoções

COLÉGIO SANTA MARIA

16 de setembro de 2020 | 07h25

Autor – Fernanda Lugatto

Muitas mudanças marcaram a rotina das crianças neste ano: isolamento social, saudade dos colegas, do espaço escolar e dos momentos de brincar juntos, além de perceberem a preocupação dos pais em relação à saúde, às questões econômicas do país e à falta de respostas sobre o “futuro”.

 

Todos estes fatores, com certeza, alteraram as emoções das crianças neste longo período de quarentena. Outro aspecto importante é que, quando fomos surpreendidos por tudo isso, as crianças começavam a estabelecer vínculos de amizade e a construir uma relação de afeto e confiança com os professores.

 

Mas como assegurar esses laços durante as aulas remotas? Como manter o vínculo e o desejo de se encontrar com professores e colegas, mesmo que virtualmente? Como respeitar ritmos e ajudar famílias e crianças a cuidarem das emoções neste momento?

 

Foi preciso reinventar a forma de estar e atuar com as crianças, sem perder de vista a essência que norteia o trabalho da Educação Infantil no Santa Maria: encontros permeados de afeto e acolhimento, com momentos para falar, contar casos e expressar alegrias e angústias; cantar e brincar.

 

Para isso, optamos por trabalhar uma vez por semana com a classe completa e outras duas vezes em grupos de 5 crianças, garantindo assim espaço e tempo para que todas pudessem trocar olhares, falar e ser ouvidas pelos amigos e professores. Queríamos que tivessem a sensação de estarmos perto, mesmo estando distantes.

 

Os encontros on-line e as propostas de atividades foram realizados considerando os direitos de aprendizagem presentes na BNCC para a Educação Infantil: conhecer-se, explorar, expressar, brincar, conviver e participar. Propostas lúdicas, investigativas, desafiadoras, significativas, envolvendo exploração de materiais, artes, músicas, histórias e múltiplas linguagens.

 

A parceria da família na manutenção das rotinas on-line foi de extrema importância!

 

Também buscamos criar um canal de contato para ouvir e conversar com todas as famílias individualmente, além de procurar adequar os encontros virtuais com as necessidades, ritmos e disponibilidades de cada criança e família.

 

Não perdemos de vista as questões pedagógicas e o desenvolvimento das crianças. Investir em experiências afetivas e cuidar das habilidades socioemocionais tem sido o mais importante neste processo!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: