Quer que eu conte outra vez?

Quer que eu conte outra vez?

Colégio Santa Maria

02 Março 2016 | 07h30

Autora: Rosana Mendes

 

A literatura infantil está presente na vida da criança desde muito cedo e é por meio dela que lhe proporcionamos o contato com outros mundos, com diferentes personagens e situações, com heróis, vilões, príncipes e princesas, fadas e  bruxas, seres míticos e imaginários, com sentimentos conhecidos e também desconhecidos…que concordamos ou discordamos com as atitudes e resoluções tomadas, que amamos e odiamos personagens e cenários, que refletimos sobre o certo e o errado.

Por isso e muito mais, que a literatura faz parte da rotina do Pré do Colégio Santa Maria.

Alguns valores como respeito à diversidade e ao outro é algo inserido nos objetivos da Educação Infantil e que demanda, além de tempo, propostas integradoras e específicas para este fim.

Na Educação Infantil e especialmente no Pré, as histórias são elementos desencadeadores de diálogos e propostas lúdicas que abordam o “ler, escrever e falar”, habilidades essenciais para o desenvolvimento da linguagem oral e escrita nessa etapa.  Este ano, para realizar esse trabalho escolhemos o livro “Um porco vem morar aqui”, de Claúdia Fries.

A diversidade dos personagens propiciou a análise de diversas características de cada um, tanto físicas como atitudinais, e conseguimos transpor algumas situações para o cotidiano das crianças, comparando comportamentos e situações, hipotetizando quais seriam os melhores procedimentos a serem tomados naquela situação.

O novo morador (o porco) é julgado e pré-concebido pelos outros personagens sem ao menos conhecê-lo e isso nos levou a valiosas discussões de como muitas vezes o pré-conceito que fazemos de alguém é totalmente equivocado, da importância de nos relacionarmos com o diferente, de estarmos abertos ao outro e interagir em diferentes situações.

0203_3034467 0203_DSC06494 0203_DSC06498

Como o espaço escolhido pela autora para narrar a história é um prédio, discutimos também a utilização dos espaços coletivos e a necessidade de todos serem responsáveis pela conservação dos mesmos. Além das discussões e análises, realizamos várias propostas, como desenhar os personagens, dobradura dos bichos, construção do prédio com palitos, confecção de fantoches e dramatização da história.

A utilização da história ajudou na compreensão da importância do respeito nas relações, em perceber a diversidade como algo positivo e o incentivo ao diálogo quando queremos esclarecer alguma situação ou conhecer alguma pessoa. Dessa forma, começamos a perceber as diferenças individuais de cada um no grupo, a pensar e por em prática formas adequadas de lidarmos com os conflitos e definir as regras de convivência da classe.