Política e cidadania

Política e cidadania

COLÉGIO SANTA MARIA

19 Setembro 2016 | 09h31

Autoria: Andrea De Divitiis

Onde há pessoas, há política. Muitas vezes, imaginamos que a política só está relacionada ao poder público, mas todos nós fazemos política em casa, nos bairros, na escola, no trabalho… em diversos contextos sociais. A escola é um espaço de aprendizado político: aprender a conviver, a tolerar, a respeitar, a dialogar e a  evitar conflitos. Aprender a negociar, a ceder, a ouvir outras opiniões, a respeitar e se fazer respeitar são atitudes fundamentais no exercício da política. Nos espaços públicos, devemos respeitar as normas e fazer valer nossos direitos, ou seja, ser um cidadão. A cidadania é importante porque vivemos cercados de gente: a criança, seus pais, familiares, amigos, vizinhos e professores se relacionam com outras pessoas todos os dias. Para que indivíduos tão diferentes convivam bem, é preciso que todos sigam regras.

Muitas delas são aprendidas em casa. Algumas na escola e outras,  com os amigos. E há outras que são estabelecidas pelas leis. No Brasil, a principal lei é a Constituição, que define direitos e deveres de todos os brasileiros.

 

Do exercício da cidadania faz parte a escolha de um representante, por meio de votação, para executar o que for preciso na cidade para que ela funcione bem em todos os serviços oferecidos aos cidadãos que nela habitam. Partindo desse pressuposto, os alunos do 3º ano do Fundamental I do Colégio Santa Maria participam do Projeto Eleições.

 

Iniciamos o projeto em sala de aula, com a brincadeira “ O mestre mandou”. Este jogo exigiu muita atenção, pois os alunos que não cumprissem as ordens, saíam da brincadeira. A diversão estava na dificuldade das tarefas dadas pelo chefe. Desta forma, analisamos a dificuldade em cumprir as regras do jogo, em perceber que não é correto colocar tarefas que o grupo não pudesse cumprir, o que era importante para ser um bom mestre, e se um representante, um prefeito ou presidente da República  precisam ser bons “mestres”. Após debater, as conclusões coletivas foram registradas.

 

Em outro momento, realizamos o processo eleitoral para a escolha de um REPRESENTANTE DE CLASSE, nos moldes das eleições que serão realizadas em 2 de outubro, portanto um candidato e um vice.

 

Todos os candidatos fizeram suas propagandas em cartazes e expuseram oralmente o que fariam por todos os alunos. Em outro momento, fizemos a leitura sobre o governo do município, os serviços públicos  prestados. Abordamos também os três Poderes, a votação direta e secreta, a idade mínima para votar, a obrigatoriedade a partir dos dezoito anos, o  título de eleitor, a urna eletrônica e também como fazer a escolha de seus candidatos.

 

 

Para a escolha, foi feito um debate entre os candidatos, com as regras  definidas – tempo de cada candidato para argumentar, descrever suas propostas, o mediador interferir em caso de  transgressão dos combinados, respeito mútuo – e definimos o mediador do debate. Depois do debate, conversamos sobre as atitudes dos candidatos: se foram éticos, se não prometeram coisas que não poderiam  cumprir e  se eles se respeitaram.

 

Durante as discussões, os alunos aprenderam que, para votar de forma consciente, é necessário ficar atento às notícias divulgadas em jornais, sites, revistas e programas de televisão.

 

A eleição foi informatizada, com um aluno como mesário. Assim, eles perceberam a rapidez do resultado, que saiu, praticamente, no final da eleição de nosso representante de classe.

 

Depois de parabenizar o eleito Gustavo Franco e sua vice, Giovanna Moraes., fizemos a avaliação de todo o processo eleitoral.

 

1909-1 1909-3 1909-4

1909-21909-6

1909-7 1909-8

1909-9 1909-10

Mais conteúdo sobre:

Colégio Santa Mariaeleições