Pequenos grupos de trabalho

Pequenos grupos de trabalho

COLÉGIO SANTA MARIA

24 de fevereiro de 2021 | 07h00

Autoria – Fernanda Inouye Miura

Na Educação Infantil do Colégio Santa Maria, começamos o ano sempre com a seguinte pergunta para darmos início aos processos investigativos com as crianças: Quais são os interesses das crianças?

O planejamento das atividades leva em conta esse questionamento, que é um grande desafio para nós, educadores. Escutar, observar e conhecer o que as crianças desejam ou têm curiosidade é muito importante para o trabalho a ser realizado.

As atividades elaboradas em pequenos grupos de trabalho, onde dividimos a turma, permite ao educador uma melhor observação das relações das crianças com o conhecimento e das relações sociais. Além de valorizar as singularidades e subjetividades, tendo a oportunidade de planejar melhores estratégias para o desenvolvimento das crianças.

“Observar e documentar as estratégias de compreensão e descoberta, os modos de raciocinar e os processos de aprendizagem do indivíduo e das crianças em grupos pequenos, são aspectos extremamente ricos da aprendizagem.” – Vea Vecchi, atelierista da abordagem Reggio Emilia.

Na foto abaixo, as crianças estão brincando pela primeira vez com o jogo do percurso, onde cada uma anda nas “casas” de acordo com o número sorteado do dado e ganha quem chegar primeiro.

 

“O Noah vai ganhar! Ele está na frente!”, disse Matteo. “Mas o Antonio vai jogar bem alto! E dai ele pode ganhar”, disse Benício.

A partir das hipóteses levantadas pelas crianças ao longo da partida, problematizamos estratégias e, assim, possíveis mudanças de regras no jogo. Por exemplo, ter o direito de jogar o dado duas vezes. É importante ressaltar que a intenção é valorizarmos as relações, as estratégias, o processo do que aos resultados.

Na foto abaixo, perseguindo a curiosidade que tiveram sobre os insetos que habitam a escola, esse grupo resolveu investigar. Com lupas nas mãos, para enxergarem mais de perto, encontraram bichos no gramado. E assim despertaram curiosidade no restante do grupo.

 

“Eu vi! Eu vi! Tem um bichinho verde pulando!”, disse Sofia.
“Eu acho que é uma folha!”, disse Rafael.
“É… grilo pula! É um inseto!”, falou Isabella.
“Ué… ontem vocês me falaram que insetos voam porque têm asas!”, provocou a professora.
“Ops! Então precisamos investigar!”, empolga-se Fernando.
“Mas eu vi uma formiga que é inseto!”, disse Isabella.

Saberes e interesses diferentes em cada pequeno grupo, que enriquece e contagia quando compartilhado na “coletividade”. E é nesse vai e vem de experiências diferentes vivenciadas por cada um e cada subgrupo que formamos, aos poucos, nosso projeto de pesquisa. Repletas de perguntas investigativas e curiosidades, as crianças desenvolvem competências importantes para a sua formação.

Eis um pouco da potência do trabalho em pequenos grupos e a importância de levar em conta o interesse das crianças no trabalho pedagógico. Finalizo  com um pensamento que vem ao encontro do nosso trabalho.

“Desenvolver projetos em pequenos grupos significa transformar um grupo de crianças em um grupo de aprendizagem. Isso porque, quando um grupo de crianças é um grupo de aprendizagem, constrói-se em relação aos saberes e aos conhecimentos.”Paulo Sergio Fochi, Dr. em educação pela USP.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.