Os refugiados no mundo

Os refugiados no mundo

COLÉGIO SANTA MARIA

27 de maio de 2019 | 09h11

Autoria: Silvia Esteves

Por que trabalhar com o tema sobre os refugiados nas aulas de língua espanhola? Durante o segundo bimestre, o 9º ano do Santa Maria teve a oportunidade de ler o paradidático Un Cuento Chino, baseado no filme argentino de 2009, Um Conto Chinês. O livro retrata o argentino Roberto, que tem sua vida completamente transformada com a chegada inesperada de Jun, um refugiado chinês que não tem a mínima ideia da língua e dos costumes locais. Ambos passam por uma convivência conturbada, mas percebem ao final que, independentemente das diferenças, são dois seres humanos lutando para compreender-se a si mesmos e tentar ser felizes.

Assim como Jun, hoje há aproximadamente 65 milhões de refugiados por todos os cantos do mundo. Essa cifra tem aumentado todos os anos por conta de perseguições políticas, desastres naturais, guerras civis e outras situações de vulnerabilidade.

Sensibilizados com o tema, decidimos avançar na questão e tentar entender um pouco mais. Assim, em grupos, os alunos se juntaram para pesquisar, fazer cartazes e apresentar em língua espanhola assuntos como a situação dos refugiados sírios e dos venezuelanos; a crise imigratória de mexicanos aos Estados Unidos; as más condições de vida e trabalho dos imigrantes bolivianos no Brasil e as associações que acolhem os refugiados na cidade de São Paulo.

Perguntando a alguns alunos da série sobre o que achavam da situação da pessoa refugiada, alguns afirmaram que em muitos casos, a melhor solução é fugir e procurar melhores condições de vida para os perseguidos. No caso dos refugiados da Síria, por exemplo, Gabriel Maia, do 9E, disse: “Mais de três milhões de sírios saíram do país. É um absurdo, pois isso significa mais da metade da população síria. Se eu estivesse na mesma situação, a única possibilidade seria fugir mesmo”.

Pode-se dizer que ouvir os alunos falando sobre um assunto tão complexo de uma forma tão terna não é só um orgulho, mas uma esperança para um mundo que tem sede de paz e tolerância.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.