O ensino de Física saindo da caixinha

O ensino de Física saindo da caixinha

COLÉGIO SANTA MARIA

01 de maio de 2020 | 07h30

Autoria: Ednilson Oliveira

A educação integral é apenas um dos enormes desafios para as escolas em 2020 e para o Ensino Médio isso não é diferente. Seguindo as diretrizes estabelecidas pela reforma do Ensino Médio, o Colégio Santa Maria começa aplicando a proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que define as aprendizagens essenciais, competências e habilidades que todo o estudante deve desenvolver ao longo da educação básica.

Os professores enfrentam o desafio de pensar o ensino de uma forma mais integradora, significativa e o mais vivencial possível, saindo das amarras que alguns vestibulares impõem, propondo menos memorização e “pegadinhas” e mais reflexão, formando um aluno mais questionador e também, por que não, mais criativo em suas conquistas.

Para tanto, pensamos em sair da “caixinha” do aprendizado comum e propusemos uma aula fora do ambiente escolar mais comum, a sala de aula. Os estudantes foram convidados e motivados a participarem de uma aula no pátio para aprender conceitos de Física básica, em especial, de Cinemática.

Lá puderam vivenciar uma atividade que envolvia vários conceitos simultâneos e frequentemente não compreendidos em sua integralidade quando expostos no quadro negro – a lousa tradicional.

Usamos nove cones numerados de – 4 até + 4, passando pelo zero, com uma distância de 1 metro entre eles, conforme a foto 1.

Com isso organizado, os alunos circularam entre os cones para compreender e discutir  conceitos de orientação da trajetória, origem dos espaços, posição inicial, posição final, deslocamento, variação do espaço, análise de sinal, trajetória etc.

Essa Física ensinada de uma maneira diferente e mais vivencial, torna o aprendizado ainda mais significativo. A foto 2 mostra os alunos no pátio em plena semana de Carnaval tendo uma aula mais que divertida.

Esta aula aconteceu antes do isolamento social, porém pode muito bem ser adaptada usando videoaulas ou hangouts em que o professor pode propor para os alunos fazerem a atividade em casa, usando tampinhas de garrafas ou outras peças que simulem os cones.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: