O brincar e o aprender na primeira infância

O brincar e o aprender na primeira infância

COLÉGIO SANTA MARIA

16 de maio de 2022 | 06h00

Autoria – Claudio Natacci de Souza, professor de Educação Física

Na primeira infância (zero meses a seis anos), a criança necessita brincar para aprender. Seu desenvolvimento acontece por meio do lúdico, com jogos e brincadeiras que promovam a integração entre os pares de forma prazerosa e divertida.

Na Educação Física Infantil do Colégio Santa Maria, o lúdico é utilizado como estratégia didática para desenvolver habilidades motoras, sociais, afetivas e cognitivas, com a intenção de atingir objetivos e conteúdos de maneira prazerosa e envolvente, permitindo que a criança construa uma imagem positiva de si e em relação à aprendizagem.

Neste contexto, o maior desafio para os educadores da infância é fazer com que as crianças se encantem e se envolvam nas brincadeiras para encontrarem significado no que é apresentado, caso contrário, a ludicidade não existirá e a proposta não fará sentido. Desta forma, para garantir o sucesso das propostas, é preciso que sejam planejadas e adequadas à faixa etária, preparadas e organizadas com antecedência.

Para o desenvolvimento de atividades dessa natureza, não há necessidade de objetos, estruturas ou brinquedos caros e sofisticados, o enriquecimento e a descoberta das crianças podem ser realizados com uso de objetos simples como bola, bambolê, corda e tapetes. Aos olhos das crianças, por meio da mediação do professor, o cenário proposto pode se transformar em florestas, rios e castelos (até onde a imaginação da criança chegar) e proporcionar uma divertida e sedutora brincadeira.

Tratando criança como um sujeito potente, criativo e reconhecendo o universo lúdico do conhecimento, amplia-se o leque de atividades socioculturais, de modo a proporcionar experiências positivas com o corpo em movimento, seguindo um caminho para a educação integral.
Brincar é um direito da criança. Cabe ao professor transformar intencionalmente a brincadeira em aprendizado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.