Meu filho brinca de boneca. E agora?

Meu filho brinca de boneca. E agora?

COLÉGIO SANTA MARIA

30 de outubro de 2019 | 07h30

Autoria: Gabriela Kraft

Na nossa cultura, muitos brinquedos estão divididos em meninos, como os carrinhos, bonecos, heróis… e meninas, como bonecas, carrinho de bebê, casinha, entre outros.

Brincar com bonecas é uma forma de aprender a cuidar de um bebê desde pequena, para exercer essa “função” e enraizar nas meninas a vontade de ser mãe quando adultas. Mas… e o pai? Onde fica nessa história?

É raro ver meninos sendo incentivados ou mesmo “autorizados” a brincar com bonecas; de serem seus cuidadores, pois não são vistos como “pais” e sim como “heróis”, que salvam o mundo. Enquanto isso, as meninas são incentivadas a brincar de tudo que se relaciona com a atmosfera da vida doméstica, como panelinhas, ferro de passar roupas, vassourinhas…

Essa situação foi frequentemente vivenciada por Pietro, 3, aluno da Educação Infantil do Santa Maria, quando sua mãe estava no final da gravidez de sua irmã Giulia. Em suas brincadeiras ficava claro o quanto estava sendo integrado a esse momento especial da família e curtindo a sua chegada!

Era comum Pietro pegar a boneca “Giulia” para carregá-la no colo, trocá-la, brincar junto com ela, cobri-la para dormir. A brincadeira continuou no momento do nascimento de Giulia, revelando um grande afeto que estava sendo cultivado por ele e pela família. Nessas brincadeiras, Pietro teve a oportunidade de elaborar esse momento de sua vida, refletir sobre o seu lugar no mundo, a sua função de irmão e tudo o que estava sendo vivenciado por ele:

“Gabi, essa é a Giulia! É a minha irmã que ‘tá’ dentro da barriga da minha mãe; daqui a pouco ela vai nascer!”

“Olha… a Giulia ‘tá’ dormindo.”

“Eu vou levar a Giulia pra passear!”

“Gabi, a Giulia já saiu da barriga da mamãe!”

Por outro lado, vemos Antonio, que saiu da fralda há pouco tempo, brincando de limpar o cocô que a “amiga da Bárbara” fez na calça. Logo foi pegar um lenço umedecido para limpar o seu bumbum. Depois ficou ninando-a em seu colo:

“Gabi, essa é a amiga da Bárbara. Ela fez cocô e eu ‘tô’ limpando ela. Agora ela vai dormir.”

Precisamos lembrar que toda brincadeira recria situações pelas quais a criança passa ou algo que está tentando entender. Dessa forma, ela amplia a sua visão de mundo e constrói narrativas com o que assimila.

Brincar com bonecas desenvolve a comunicação, as habilidades motoras, ensina a ter responsabilidade, desenvolve a criatividade, estimula a imaginação, contribui com o desenvolvimento da linguagem e, principalmente, estimula e desenvolve a empatia e o afeto!

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: