Grupos cooperativos

Grupos cooperativos

Colégio Santa Maria

16 de maio de 2019 | 07h30

Autoria: Rafaella Derballe

Reconhecer, respeitar, intervir e potencializar são ações que fazem parte da rotina do Colégio Santa Maria e, no 3º ano do Fundamental I, uma das estratégias para garantirmos essas ações é por meio dos grupos cooperativos.

As individualidades de cada criança, suas diferenças e habilidades são  valorizadas, pois oferecemos muitas possibilidades, em múltiplas linguagens, para que cada aluno, por meio da exploração, vivência e diferentes atividades, revele suas aprendizagens e percepções em uma participação ativa na construção do conhecimento.

Nessa perspectiva,  nós professores,   somos parceiros, promotores do crescimento e guias. Fazemos uso da avaliação formativa para analisar a realidade e focar nossas ações, ou seja,  refletir e reconstruir nossa prática prezando um ensino-aprendizagem de sucesso para todos.

Para isso, em nossas vivências buscamos a escuta atenta e a observação sensível para perceber as estratégias que os alunos usam nas situações de aprendizagem e assim, “distribuímos” oportunidades de forma intencional.

Essas oportunidades são também oferecidas nos pequenos grupos. Os alunos são organizados a partir de interesses e necessidades que foram observadas pelo professor. Neles, os alunos realizam a mesma ou diferentes propostas, onde o foco é investir e elevar os desafios, usando diferentes estratégias e tendo em vista conquistar as metas da série.

Nos inspiramos na metáfora dita por Loris Malaguzzi: “Pego a bola que as crianças me lançam e jogo de volta em um movimento que as desafie e que desejem continuar jogando, este e outros jogos, e assim vamos em frente.”

E indo em frente, por meio de propostas diversificadas, é possível permitir que cada aluno desenvolva ainda mais suas habilidades, respeitando seu tempo, espaço e interesses.

Por meio dos grupos cooperativos, é criada uma dinâmica e uma estrutura grupal de aprendizagem que permite a aquisição de conhecimentos, além da interação e cooperação entre os alunos. Os professores oferecem um apoio mais individualizado, desenvolvendo uma verdadeira atenção à diversidade de ritmos, habilidades, interesses e demanda dos alunos, interagindo, provocando e afetando os diferentes grupos.

Para trabalhar em grupos cooperativos, é importante que os alunos exerçam uma habilidade que, para nós do Colégio, caminha junto com as habilidades cognitivas: o socioemocional. Isto é, o relacionamento interpessoal, a resolução de conflitos, divisão de responsabilidades e tarefas, cultura da paz e aspectos que envolvam um trabalho em grupo de colaboração e cooperação rumo ao conhecimento.

Um exemplo dessa interação foi a proposta de explorar a mata do Colégio. Para estudar o bioma da Mata Atlântica, o grupo do 3º ano B foi dividido nos grupos cooperativos. Entre os grupos haviam diferentes focos de exploração durante a caminhada: solo, sementes, árvores, flores, temperatura, relevo, animais… Cada grupo ficou responsável por registrar em sua caderneta de campo suas descobertas e, ao voltar para a sala, compartilhar com o grupo.

“Eu descobri que a Matemática está em todo o lugar. Meu grupo foi responsável pela exploração das árvores e medimos o tronco da amizade com a fita métrica!”

 

“Meu grupo ficou responsável pelos animais. Lembramos nossos amigos que era importante ficar em silêncio para vermos pássaros e pequenos animais da mata.”

O grupo responsável pela temperatura também revelou: “Descobrimos, medindo a temperatura da mata, que lá é mais frio em relação aos outros lugares… percebemos que a mata é fechada, tem árvores mais altas… é mais escuro! O sol não consegue entrar direito!”

Outra descoberta feita por um grupo cooperativo foi quanto ao solo: “No chão da mata tem muita folha seca. Pesquisamos no livro da biblioteca de sala e descobrimos que elas são importantes para as árvores, pois elas que nutrem as árvores e até alimentam o pequeno caracol!”

As descobertas foram muitas! Todas reveladas por meio da exploração, vivência e interação. Com intencionalidades claras, os grupos cooperativos estudam e realizam as diferentes propostas em uma participação ativa, sendo protagonistas de suas aprendizagens e conhecimentos.

Por meio do trabalho em pequenos grupos, garantimos o principal objetivo da educação que é a “alegria de pensar”, tendo em foco as oito forças que  moldam a cultura do pensamento: expectativa, linguagem, tempo, modelagem, rotina, oportunidade, ambiente e interações. Afinal, “Ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção” – Paulo Freire.

Confira mais sobre a exploração da turma no Facebook do Colégio Santa Maria.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: