Formação de vínculos: vozes que ressoam nas janelas que se abrem entre o presencial e o remoto

Formação de vínculos: vozes que ressoam nas janelas que se abrem entre o presencial e o remoto

COLÉGIO SANTA MARIA

17 de fevereiro de 2021 | 07h00

Autoria – Elizabeth Nishiyama Muniz

Iniciamos o ano com o tão esperado encontro: as crianças ocupando os territórios do Santa Maria e, também, com o ensino remoto ressoando nas “janelas” para algumas crianças cujas famílias optaram por ficarem em casa.

Recomeçamos com “janelas” abertas para conversarmos, ouvirmos histórias, dançarmos, brincarmos, realizarmos propostas de integração e acolhimento nos pequenos grupos de trabalho, nos encontros remotos e, aos poucos, constituirmos o grupo.

Em uma dessas propostas, com a intenção de estreitar vínculos pelas janelas que se abriam, as crianças foram convidadas a construírem máquinas fotográficas e olharem com seus olhos de deslumbramento um mundo repleto de vida, cores, formas, possibilidades e transformações. “Fotografaram” os amigos e depois “revelaram” as fotos desenhando os retratos.

Enquanto desenhava a amiga Helena, por entre as janelas, Lis Yumi perguntou: “Qual a cor dos seus olhos?”. Preocupação, cuidado e detalhes que revelam o apreço, a interação e o estreitamento de vínculos.

Já Helena Fernandes desenhou várias crianças e, contextualizando, disse que havia fotografado uma amiga nova perto das que eram da Escola no ano anterior: “Agora podemos brincar bastante porque conhecemos muitos amigos!”, disse. Pontes que estão sendo construídas pelas vozes que ressoam nas janelas e se abrem entre o presencial e o remoto.

Como convite ao grupo, fizemos um “varal dos amigos” com todos os retratos “revelados”. Convidamos as crianças a apreciarem seus registros e apresentamos a exposição para a turma do ensino remoto.

Como diz Eduardo Galeano, somos feitos de histórias! Dessa forma, começamos a história do Jardim II A com um acolhimento preparado com alegria, troca, diálogo, parceria e muito afeto, tanto no presencial, como nas aulas síncronas.

Como relato deste cuidado e da percepção da importância dos vínculos, Luz Roxana Ortiz Ascarrunz, mãe da Helena Coscio Ortiz, diz: “Eu como mãe de uma criança que faz ensino online, fico muito feliz com a metodologia que vocês estão realizando, acho muito dinâmicas as atividades que fazem com as possibilidades que temos em casa… Helena ficou muito feliz e sempre que levanta pergunta se já está na hora de se verem. Para ela é a primeira vez de todas essas experiências da escola, e confesso que tive um pouquinho de medo de não se adaptar a esse método online, mas só tenho coisas boas para falar de vocês! Ela fica muito feliz depois de cada aula. Obrigada, Beth, e que Deus abençoe todos vocês!”

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.