Educação: segurança e afeto

Colégio Santa Maria

17 Junho 2016 | 07h30

Autoria: Darci Garcia

É consenso que a escola precisa formar alunos conscientes do próprio papel social frente a si mesmos, e ao da futura inserção profissional, a fim de agirem com empatia e compaixão. Assim, é necessário que a aprendizagem, no caso a produção textual para a 3ª série do Ensino Médio do Santa Maria, promova o amadurecimento do aluno por meio de atitudes e fazeres que o façam chegar à autonomia.

Pensa-se, inicialmente, que as atividades diante disso devam envolver a interação de conhecimentos que possam propiciar o desenvolvimento de habilidades para se chegar à competência de escrever textos de autoria; atrela-se a isso a responsabilização e a emoção de aprender. Visa-se com isso que estudantes de série terminal possam programar-se, posicionar-se, monitorar conquistas e perceber que o ato de aprender está nas próprias mãos.

Dessa maneira, no cotidiano repetitivo de produções textuais, os alunos estão escolhendo os temas de redações e montando coletâneas a partir da própria leitura de mundo; aquilatam, dessa forma, o que é pertinente de discussão, quer no mundo, quer no Brasil.

Nesse sentido, temas como Deep web, Apropriação cultural, Intolerância política, Sofrimento de animais em parques aquáticos, Gordofobia, Refugiados e imigrantes,“Minha Luta” –reedição da obra, Moradores em rua, Crise política no Brasil e Ações terroristas no mundo já foram assuntos discutidos.

A proposta implica a escolha de temas por grupos previamente definidos e a sensibilização inicial da classe por meio de vídeos, documentários, textos, gráficos, poemas, músicas, charges e demais possibilidades de linguagens. Após essa etapa, abre-se a discussão; todos podem expressar os próprios pontos de vista, exercitando a argumentação e a contra argumentação.

Há sempre o envolvimento emocional dos participantes, cada qual querendo não só expor, mas muitas vezes impor a própria visão; no entanto, no retrucar do outro é possível enxergar além de si mesmo, ampliar horizontes de análise, perceber diferentes visões sobre o que se explana, respeitar, compartilhar.

Nesse sentido, a produção textual torna-se mais segura, com clara abordagem do tema, escolhas argumentativas mais diversificadas, o que gera um texto mais coeso, coerente e pertinente em relação ao tema em função da ampla discussão feita.

Percebe-se que a motivação diante do aprender aumenta, mesmo porque leva-se em conta a responsabilização do grupo frente à escolha temática, já que estará em avaliação por toda a sala caso a escolha seja infantilizada ou fora de contexto. Precisa, assim, ser protagonista da construção de um saber que será coletivizado e sobre o qual tem responsabilidade não só individual como coletiva.