“E os inimigos não têm cansado de vencer”

“E os inimigos não têm cansado de vencer”

COLÉGIO SANTA MARIA

07 Outubro 2016 | 07h31

Autoria: Sônia Brandão

 

A primeira vez que frequentei este espaço escolhi falar sobre a importância da pauta democrática no cotidiano escolar, mesma temática que atravessou a história de nosso país pelo menos do final dos anos 70 do século passado para cá.

 

Sabemos que, de março até final de setembro de 2016, muita água passou pelo São Francisco e algumas mudanças levadas pela correnteza podem ter efeitos avassaladores. Eu me preparava para falar sobre o Projeto de Lei Escola sem Partido, quando veio a Medida Provisória que impõe a Reforma sobre o Ensino Médio. Diante da correnteza, escolhi relatar uma parte do que podemos perder, caso o rio continue, obedientemente, preso em seu leito.

 

O eixo norteador da 3ª série do Ensino Médio do Colégio Santa Maria é exatamente a discussão em torno do debate entre democracia e totalitarismos, algo absolutamente caro para cercarmos o complicadíssimo século XX. Nossos alunos chegam da 2ª série com os conceitos de Estado Moderno recém-nascido das revoluções do século XVIII e de Nacional (e nacionalismos) consolidada no XIX. Compete à série terminal fechar este olhar sobre a História Contemporânea desfazendo os nós do emaranhado dos últimos 150 anos. Nunca é demais lembrar: o que nos desafia a pensar o passado são as questões emergentes de nosso presente.

 

Assim, fomos desafiados a entender as contradições da Belle Époque que levaram à Primeira Guerra de 1914. Como passamos da certeza de que a ciência, a tecnologia, a modernização levariam toda a humanidade ao apogeu da criação, à queda vertiginosa no caos, na mortalidade, no esfacelamento de nações, na quebra de paradigmas essenciais para o Ocidente? O período entre guerras jogou este pedaço do mundo em outros turbilhões: da humilhação do pós-guerra e do caldo nacionalista e positivista do século XIX emergiram os fascismos na Europa; na outra ponta, a própria guerra havia aprofundado contradições e acelerado a experiência socialista na Rússia; enquanto do outro lado do Atlântico, os EUA viviam em menos de dez anos da expansão do american way of life à degradação das filas de desempregados, das falências, do ocaso financeiro.

 

Sabemos no que a “grande depressão dos anos 30” levaria o planeta (sem exageros). Falamos em 53 milhões de mortos varridos pela lógica de uma nova guerra que geraria ferimentos ainda mal cicatrizados. O trauma da Segunda Guerra ainda assombra os sonhos de qualquer cidadão minimamente consciente nos quatro cantos do mundo.

 

Pensamos – nós das Humanidades do Colégio Santa Maria e, por isso, escolhemos este eixo de estudo para a 3ª série – que é necessário sempre falar destes assombros, revisitar nossos pesadelos, cutucar as feridas. Caso contrário, nosso ofício seria em vão.

 

Afinal, quais são as perguntas de nosso presente que nos jogam no diálogo com a primeira metade do XX? É impressionante como os alunos são perfeitamente antenados e entendem que na Europa, nos EUA, no Brasil respiramos fenômenos conhecidos. O que acontece em nosso presente capaz de explicar o neonazismo, o recrudescimento da xenofobia, a expansão dos fundamentalismos políticos e religiosos, o levante de bandeiras nacionalistas, o culto ao sucesso individual, a valorização de um belicismo sem limites?

 

É claro que não estamos repetindo simplesmente o passado. É claro que as soluções para os problemas atuais não passam pelos mesmos caminhos do entre guerras. O futuro será o resultado de nossas decisões políticas.

 

Mas, é sempre bom revisitar o pensador alemão Walter Benjamin. Vivendo no olho do furacão, fugindo da Alemanha de Hitler, lembrava-nos da urgência de não menosprezarmos os inimigos da democracia. Se eles vencerem, dizia Benjamim (que se matou na fronteira da França com a Espanha, acossado pelos nazistas, em 1940), “nem nossos mortos estarão a salvo”.

 

0710_Foto_blog_Estadao_postagem07102016

Fonte da imagem: (Marcha pela Vida e Liberdade Religiosa, Porto Alegre, 21 de janeiro de 2016 – Marcelo Camargo\Agência Brasil)

 

 

Mais conteúdo sobre:

Colégio Santa Maria