E aí, vamos brincar?

E aí, vamos brincar?

COLÉGIO SANTA MARIA

30 de maio de 2019 | 07h30

Autoria: Adriana Francato

A equipe do 4º ano do Santa Maria está desenvolvendo um projeto que privilegia a cultura da infância e traz, por meio da vivência de brincadeiras de diferentes regiões do Brasil, novas perspectivas sobre o universo da criança em nosso país.

O projeto tem se desenvolvido de maneira interdisciplinar, tendo como base o livro “Viagem pelo Brasil em 52 Histórias”, da escritora Silvana Salerno, e tem envolvido as áreas curriculares de Língua Portuguesa, Educação Física, Artes e Música.

Em Música, o assunto foi disparado através de um painel de pesquisa entre os alunos para o levantamento das influências musicais relacionadas ao brincar que tiveram em seus primeiros anos de vida. Constatamos que grande parte das músicas escutadas por eles não eram infantis e que muitas das brincadeiras haviam sido aprendidas e vivenciadas na escola.

Partimos, então, para o seguinte questionamento: será que uma criança que mora, por exemplo, no Amazonas, conhece as mesmas brincadeiras das que vivem em São Paulo?

Diante disso, estudamos os aspectos culturais da região Norte e constatamos na leitura de livros e na apreciação de vídeos que algumas brincadeiras eram iguais, porém outras eram bem diferentes. Então, experienciamos em aula brincadeiras como “Quatro Cantos” e “Melancia”, que os alunos não conheciam.

Os alunos se identificaram de forma bastante significativa com a proposta, o que pode ser conferido no relato da aluna Fernanda: “A brincadeira ‘Quatro Cantos’ foi bem legal. Eu achei bem parecida com a do ‘Coelho sai da toca’. ‘Melancia’ eu gostei bastante porque a gente tem que impedir o ladrão de pegar as melancias e eu gostei bastante de ser o ladrão”.

Com relação ao repertório musical, aprendemos um pouco sobre a cultura indígena, os instrumentos utilizados, cantamos e tocamos Araruna, uma canção dos índios Parakanãs.

Este projeto ainda está em andamento e temos a intenção de ampliar a  visão cultural das turmas trabalhando com lendas significativas para o povo do Norte. Contaremos com a criação de sonoplastia para a lenda do Curupira, por exemplo, na qual usaremos o programa scratch, desenvolvido nas aulas de Informática, para a criação e escolha dos sons a serem utilizados numa representação teatral a ser realizada pelos alunos nas aulas de música.

E assim, brincando e aprendendo, vamos conhecendo diferenças, somando experiências, conhecendo e valorizando as riquezas culturais e humanas de nosso querido Brasil!

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.