Diversidade e inclusão em projeto de Ensino Religioso

COLÉGIO SANTA MARIA

11 de maio de 2021 | 07h00

Autoria – Jean Farias

Como pode-se dialogar, amar, conviver, se relacionar, construir algo comum, formar família ou comunidade se não há a promoção da diversidade e da inclusão? Por isso, acompanhando os sinais do tempo e entendendo a realidade como lugar teológico da missão do Colégio Santa Maria, foi possibilitado aos educadores trabalharem essa abordagem, de forma multi e interdisciplinar com os alunos, por meio de projetos que dialoguem de forma humanizada com a sociedade. A temática “Diferentes, não desiguais” fundamenta e norteia os variados projetos desenvolvidos com os educandos do 6º ano.

No livro “Papa Francisco: conversas com Jorge Bergoglio”, o escritor Sergio Rubin ressalta que “um verdadeiro crescimento na consciência da humanidade não pode basear-se noutra coisa senão na prática do diálogo e do amor. Diálogo e amor pressupõem o reconhecimento do outro como outro, a aceitação da diversidade. Só assim se pode fundar o valor da comunidade: não pretendendo que o outro se subordine aos meus critérios e prioridades, não absorvendo o outro, mas sim reconhecendo como valioso o que o outro é, e celebrando essa diversidade que nos enriquece a todos”. Faz-se necessário, nesse sentido, reconhecer que a fraternidade e o diálogo são expressões de paz e de plenitude e, ao mesmo tempo, são desafios de amor.

Para facilitar a compreensão, compara-se a diversidade como convidar alguém para a festa, e a inclusão é chamar para dançar. Assim, foi proposto aos alunos que refletissem sobre a importância do respeito às diversidades por meio de músicas que relatam o empoderamento feminino, os povos indígenas, as diferenças de classe, etnia, raça e gênero, além da espiritualidade. Para exemplificar, os estudantes foram divididos em grupos e, de modo aleatório, receberam o desafio de dialogar sobre o assunto a partir das reflexões que as músicas oferecem. As metodologias tecnológicas, proporcionadas pelo ensino remoto, facilitaram o desenvolvimento da atividade, utilizando-se do Google formulário para orientação, aprofundamento e registro das reflexões; e outros meios, a critério de cada grupo, para preparação do material a ser apresentado aos demais.

De um repertório amplo, destacam-se duas músicas: “Todos estão surdos”, de Roberto Carlos, e “Diversidade”, de Lenine. A primeira relata a espiritualidade de uma forma humana e do contato com o Divino. A paz, a verdade, o diálogo, a liberdade e o contato com o Deus da vida são temas presentes na música. A segunda, além da Criação Divina, fala das diferenças que nos tornam únicos, mas não desiguais. Assim, pôde-se oferecer um aprendizado de forma lúdica, reflexiva, com um olhar atento à realidade, sem perder de vista a espiritualidade, o diálogo com o transcendente e a proposta pedagógica do Santa Maria.

Desse modo, ao trabalhar com esse tipo de projeto e formato de ensino-aprendizagem em sala de aula, as turmas, ao encerrarem esse ciclo ou o ano letivo, sairão com diversos valores agregados e outras competências socioemocionais desenvolvidas. Os educadores estão empenhados em oferecer as melhores ferramentas, metodologias e reflexões aos educandos, sobretudo nesse tempo pandêmico em que vivemos, em que um olhar atento, de cuidado e respeitoso para com os outros, é cada vez mais urgente e necessário. Deseja-se que as apresentações dos grupos ao final desse projeto venham carregadas de humanidade e anseio de uma sociedade mais justa e equitativa!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.