Desvelando o universo da leitura e escrita…  Um momento mágico para as crianças do Pré

Desvelando o universo da leitura e escrita… Um momento mágico para as crianças do Pré

Colégio Santa Maria

03 Agosto 2016 | 08h04

Autoria:  Fernanda Lugatto

 

Desde pequenas, nossas crianças da Educação Infantil do Santa Maria convivem em um ambiente propício à prática social da leitura e escrita. Veem seu nome, primeira palavra significativa, escrito na agenda, cabideiros, listas e materiais. Ouvem histórias todos os dias, têm em classe livros e gibis, para livre manuseio e exploração, têm contato com bilhetes escritos aos pais, com a receita da culinária, com a parlenda ou música que aprenderam… Além de todos os estímulos, intencionais ou não, que recebem em casa e no mundo, de forma geral.

No Pré, toda essa bagagem que vão acumulando começa a fazer maior sentido e fica mais evidente o desejo de desvelar esse universo da leitura e escrita que os adultos e irmãos mais velhos dominam. Então, num primeiro momento, descobrem que a fala (linguagem) pode ser representada pela escrita e o conhecimento que têm das letras e a sonoridade delas começa a ser utilizado. Aparece o IAA, representando a palavra GIRAFA, por exemplo.

Numa segunda etapa, descobrem que a escrita representa os sons da fala e percebem a necessidade de mais de uma letra para a maioria das sílabas, então começam a fazer uso das consoantes. Sua escrita então evolui para GIAFA (GIRAFA).

Daí em diante só avançam…. Conquistam uma estabilidade na escrita de palavras, ajustam à escrita a fala (com mínimos detalhes) e começam a arriscar as primeiras frases. Enfim, é um processo maravilhoso! Um marco na vida de qualquer criança, que traz autoconfiança para desejar e arriscar ainda mais.

E quando esse processo termina?

Inicialmente, podemos dizer que ele se concretiza ao final do 2º ano, quando as crianças realmente têm capacidade de dominar as questões ortográficas e produzir textos bem construídos, com pontuação, uso de parágrafos e outras normas da língua portuguesa.

Mas como diria Telma Weiss (criadora do PROFA – Programa de formação de professores alfabetizadores), “Estamos sempre nos alfabetizando, a cada novo tipo de texto com o qual entramos em contato durante a vida”.