Cine-Militância

Cine-Militância

Colégio Santa Maria

02 Outubro 2015 | 07h00

Projeto desenvolvido pela área de Ciências Humanas do Ensino Médio do Santa Maria promove encontros entre militantes do movimento negro e a comunidade do Colégio, mediados pela exibição de produções audiovisuais que fomentam o debate em torno de questões candentes da atualidade: o legado social da escravidão; a condição paradoxal do racismo, mais atuante quanto mais se dissimula; a necessidade de renovação da forma pela qual a cultura africana é reconhecida como matriz da cultura brasileira

No primeiro encontro, Emerson Gabriel dos Santos, integrante da Frente de Cursinhos Populares de São Paulo e professor do cursinho Griot, analisou o filme Quanto Vale ou é Por Quilo (2005) de Sérgio Bianchi. Mesmo reconhecendo as possibilidades abertas pela obra, Emerson construiu uma crítica contundente ao filme, contrapondo-o ao depoimento da escritora nigeriana Chimamanda Adichie, “o perigo de uma história única”.

Por uma associação demasiado direta entre a sociedade atual e a escravidão, o filme produz uma imagem estereotipada do negro, ignorando o processo de luta e as conquistas sociais oriundas dessas lutas. Haveria em “Quando Vale” um paradoxo: sua maior virtude é a crítica à elite que privatiza os recursos públicos para elaboração de políticas que implicam a manutenção de seus privilégios, numa usurpação fundamentalmente antidemocrática. Da mesma forma, o branco, ao assumir um protagonismo que não é seu, produz uma imagem do negro informada nos padrões racistas que pretende criticar.

Emerson pode abordar a diferença significativa que há entre o que é mostrado no filme e o que é produzido pela cultura da resistência encarnada, por exemplo, no trabalho dos racionais Mc’s.

0210_silhueta_mulher_negra_2015_1

http://www.geledes.org.br/debate-discute-o-protagonismo-no-negro-na-sociedade-nesta-quarta-feira-1706/#gs.rY4yZf4