Aulas práticas como ferramentas de ensino na EJA

Aulas práticas como ferramentas de ensino na EJA

COLÉGIO SANTA MARIA

29 de outubro de 2020 | 07h30

Autoria – Cátia Brandão e Professor Frederico Lazarini

Recordar é viver e também confirmar a importância das aulas presenciais que se avizinham. Na Educação para Jovens e Adultos do Santa Maria, associar o cotidiano com a aprendizagem é um dos nossos principais objetivos quando pensamos nas aulas práticas. É um desafio, pois num curso semestral, com tempo reduzido, temos que nos organizar, controlar as ansiedades e fazer acontecer. O feedback demonstra que os alunos da EJA adoram esse tipo de aula e se sentem motivados, principalmente quando se refere à aula de laboratório.

Existem diferenças na construção do conhecimento dos alunos desse segmento pelo fato de estarem inseridos no mundo do trabalho e das muitas relações pessoais construídas, e já consolidadas, diferentemente das crianças e dos adolescentes. Também, por estarem há tempos fora da escola e com grande defasagem de conteúdo, as aulas devem ser de forma a priorizar as reflexões e discussões, a fim de que desenvolvam uma visão crítica a respeito do seu próprio corpo, das suas relações com o meio em que vivem e das transformações que acontecem nos diversos campos da sua vida, além de enxergarem algo significativo na sua vida diária com aquilo que aprendem na escola.

Conforme publicação no site da Escola de Formação do Estado de São Paulo (http://www.escoladeformacao.sp.gov.br/portais/Default.aspx?tabid=8897&EntryId=4543), sobre glossário da inovação, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostra que “inovação está atrelada à adoção de novas tecnologias, processos, competências por instituição de ensino, que levam à melhoria de aprendizagem, equidade e eficiência”. Para quem está afastado da escola há anos deve fazer sentido uma aquisição de conhecimentos assim, pois esse mundo novo tem que ser parte do seu fazer. Deve-se, na verdade, inseri-lo no mundo social de forma interativa e essa é a nossa estratégia de ensino. Suas habilidades manuais são mais apuradas e é um fator importante na realização de experiências, construção e criação de objetos, que atualmente chamamos de aprendizagem Maker (mão na massa). Percebe-se, nesse processo, seus olhos brilharem, ainda mais ao oferecer-lhes atividades diferentes, fora da sala de aula.

Ao valorizar esse sentimento, dentre muitas, surge a proposta de fazer sabão com óleo usado ou produzir outros produtos de higiene. Nesse sentido, os estudantes percebem a reutilização de materiais, bem como a proporção exata dos mesmos para que ocorra a reação mais eficiente e chegue ao resultado esperado. O mesmo acontece com a produção de álcool em gel: mostrando como fazer, a importância da utilização e qual o motivo de sua criação – evitar a disseminação das tão danosas Fake News – que, em dias de Pandemia, propagam, nas mídias e nas redes sociais, receitas incorretas de como produzi-lo e, também, com isso, evitar que adquiram produtos irregulares.

O ambiente, fora das quatro paredes da sala de aula, é outro fator preponderante que os motiva a realizar atividades. Com aparelhos e instrumentos vistos em séries de TV, vidrarias mostradas em filmes de ficção científica, animais empalhados tornam-se a realização para os alunos quando frequentam o laboratório. Já com os kits de eletrônica para a construção de pequenos robôs, a construção de foguetes com garrafas pet e movidos a água e pressão de ar fazem esse momento único e inesquecível aos olhos deles, uma vez da quase nula autoestima, e ao perceber que abre as portas da curiosidade e desperta o interesse pelo conteúdo ministrado pelo professor.

Inclui-se, aqui, até mesmo as desconhecidas disciplinas que envolvem os fenômenos abordados pela área científica: Biologia, Física e Química, que, por muitos, não compreendem o estudo das mesmas e, a EJA, por ser um curso semestral, tem pouco tempo para se trabalhar, pelo menos, os conceitos básicos das disciplinas, daí entra a organização dos conteúdos, os quais devem ser muito bem entrelaçados e pensados interdisciplinarmente, e há de se pensar, também e de repente, nos conteúdos emergenciais, pois estamos passando por uma Pandemia, o que nos faz reorganizar o já milimetricamente planejado para atender à demanda do momento.

Como vimos, pode-se levá-los por áreas nunca antes imaginadas, construindo e desconstruindo paradigmas e reconhecendo caminhos diferenciados e diversificados. Estas aulas práticas, não menos importantes que as aulas práticas de outras disciplinas, são ferramentas de ensino de extrema importância ao considerar a formação do cidadão que observa, analisa, interage, de repente, modifica o ambiente no qual está inserido e, porque não no mundo, tornando-o em ambiente mais digno para habitá-lo: missão da EJA do Colégio Santa Maria.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: