Aprendizagem compartilhada, colaborativa e cooperativa

Aprendizagem compartilhada, colaborativa e cooperativa

COLÉGIO SANTA MARIA

29 de julho de 2019 | 07h30

Autoria: Ana Cláudia Lasinskas e Fabiana Miranda

 

Alinhado às tendências e demandas educacionais contemporâneas e às novas formas de construir conhecimentos, os profissionais do Colégio Santa Maria estão sempre em busca de metodologias e estratégias que favoreçam o desenvolvimento da aprendizagem. A BNCC (Base Nacional Comum Curricular) define um conjunto de competências e habilidades que devem ser desenvolvidas por meio dos componentes curriculares e, neste sentido, a aprendizagem colaborativa e a aprendizagem cooperativa contribuem para a construção desses objetivos.

 

Dentro dessa metodologia, é possível observar que os alunos tornam-se agentes protagonistas que contribuem para a construção do conhecimento mútuo, e o aprendizado é compartilhado de todos para todos. Neste processo, eles são frequentemente estimulados a aguçar sua criatividade, argumentação, comunicação, empatia, cooperação e cidadania.

 

Os recursos digitais são importantes para o desenvolvimento do trabalho colaborativo. Uma das experiências desenvolvidas no 7º ano nas aulas de Matemática para utilizar essa metodologia foi a elaboração de vídeo aulas criadas pelos próprios alunos. Dos roteiros à execução e edição dos vídeos, os alunos puderam se organizar e dividir as tarefas compartilhando suas habilidades para que o produto final pudesse ser útil a eles e aos que precisassem compreender o conteúdo desenvolvido.

 

Como uma extensão da sala de aula, o uso do Edmodo e dos chats (grupos),  de forma adequada, são outras formas de compartilhar conhecimento, uma vez que servem para orientar colegas que perderam a aula ou alguma tarefa.

 

O uso de “aulas invertidas” também favorece a criação de um ambiente colaborativo. Em torno de uma questão problematizadora, os alunos buscam, previamente, informações e alternativas para solucionar um problema apresentado, e a explicação ou resolução do que foi solicitado é feita pelos estudantes. Neste ambiente, há a valorização do conhecimento prévio dos alunos, compartilhamento de saberes individuais e coletivos, além da construção do respeito mútuo e da empatia, trabalhando com a liberdade de expressão e visando a atingir um consenso.

 

O trabalho com monitorias também tem sido muito utilizado nas aulas de Matemática da série . Aqueles que dominam conteúdos e se apropriam dos mesmos com mais facilidade, ajudam os colegas em seus pontos fracos nas aulas de reforço, oficinas, recuperações e em sala de aula e compartilham suas habilidades, ao mesmo tempo em que se beneficiam ao explicá-lo para outras pessoas, porque o memorizam, além de sentirem satisfação pessoal ao ajudar. A tendência, neste cenário, é que um ajude o outro com seus pontos fracos e ainda exercitem as competências que já possuem ao ensinar o colega.

 

Assim, quando buscamos compartilhar aprendizados, experiências e conhecimentos em conjunto, a probabilidade de que ocorram transformações positivas em nossa vida e na vida das pessoas com quem fazemos tudo isso, aumentam de forma significativa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.