A importância da fábula na primeira infância

A importância da fábula na primeira infância

Colégio Santa Maria

19 Setembro 2018 | 07h36

Autoria: Rafaella Derballe

Na Educação Infantil do Santa Maria os gêneros textuais são explorados por meio de interações e brincadeiras. Contos, lendas, poesias e fábulas são parte do cotidiano das crianças de maneira lúdica e por meio de múltiplas linguagens.
A Educação Infantil é um período em que as crianças estão explorando e conhecendo seu próprio corpo, sentidos e sentimentos, além de estarem se relacionando com outras pessoas em diferentes ambientes e contextos. Ou seja, é um período de ampliação de repertório, de viver diferentes experiências e de ter oportunidades para o aprendizado cognitivo, social e afetivo.
Uma das possibilidades de ampliação é a teatralidade. Então, para viver o teatro com as crianças, a equipe da Educação Infantil escolheu como assunto “Fábulas” e na semana do dia 10 a 15 de setembro (Semana da Literatura) explorou a linguagem expressiva com as crianças, trazendo todos os conhecimentos que as diferentes fábulas oferecem. Assim, nasceu o nosso 1º Fabulando.
Quando a criança escuta uma fábula, se encanta com a história. Além de ter os animais como personagens, agindo “como se fossem gente”, é transmitido um aprendizado que é agregado na formação de valores, em situações que, muitas vezes, estão dentro dos contextos vividos pelas crianças. Dessa maneira, internaliza toda situação no que está sendo contado e guarda no inconsciente tudo aquilo que poderá servir de orientação para futuras situações cotidianas, que contemplem conflitos e soluções.
Neste contexto, podemos citar Wallon: “No período anterior à apropriação da consciência de si, a criança encontra-se num estado de sociabilidade sincrética, onde se percebe como fundida nos objetos ou nas situações familiares e cotidianas, misturando a sua personalidade à dos outros, e a destes entre si”. Partindo dessa concepção, as vivências relatadas pelas fábulas auxiliam no desenvolvimento da personalidade individual da criança, pois inspiram condutas e princípios que orientarão o seu comportamento futuro.
Por meio da fábula , a criança dialoga, é capaz de se colocar no lugar das personagens e interagir com a história em si, podendo discuti-la, comentá-la e questioná-la, realizando um confronto entre o real e o imaginário, construindo seu pensamento e alcançando novas conquistas cognitivas e afetivas a partir do pensamento do outro, por meio de uma linguagem dialógica. Diálogo este, que segundo Bakthin, “o homem participa todo e com toda a sua vida: com os olhos, os lábios, as mãos, a alma, o espírito, com o corpo todo, com as suas ações.(…) Viver significa participar de um diálogo: interrogar, escutar, responder, concordar, etc.”
Portanto, as fábulas são essenciais para a assimilação de condutas e preparação para a vida que se inicia na infância. Servem como agente de formação social, transmitindo mensagens que dão significado à existência humana, ou seja, que conseguiremos, por meio da bondade, justiça, amor, sabedoria, solidariedade e diálogos fabulosos, nos humanizarmos.