A cultura digital está além da @rede!

A cultura digital está além da @rede!

COLÉGIO SANTA MARIA

19 de março de 2020 | 07h30

Autoria: Renata Ferrari e Claudia Sande

 

A escola precisa entender como os alunos podem ser mais autorais e criativos, mesmo sendo mais dependentes das ferramentas tecnológicas” – Paulo Blikstein     

Nossos alunos já nasceram em mundo conectado em rede, por isso, a inserção de práticas específicas faz com que se sintam confortáveis com o uso da tecnologia e motivados em suas aprendizagens. Esse movimento de protagonismo tem provado que nossas crianças não estão apenas interessadas em consumir informação, mas sentem também a necessidade de se tornarem autores, tal como intérpretes de uma realidade observada, sentida na pele ou nutrida pela fantasia ainda presente nesta faixa etária.

Integrar a realidade ao mundo virtual, e vice-versa, é um desafio enormemente atual! É preciso que os alunos percebam as aplicações de suas práticas nesses dois mundos tão distintos e, ao mesmo tempo, tão complementares.

Desta forma, desenvolver o pensamento computacional e introduzir a cultura digital enquanto nova forma de linguagem é foco de trabalho presente no 4º ano do Santa Maria. Os alunos utilizam diferentes ferramentas tecnológicas aplicadas em múltiplas estratégias de parcerias de trabalho, ampliando o trato de suas habilidades cognitivas e socioemocionais. Potencializam sua inventividade numa rede criativa, permeando todos os componentes curriculares.

Há uma linguagem ética e conceitos específicos que precisam ser aprendidos, há ferramentas digitais com funções e impactos sociais e políticos, que visam a construção de identidade do indivíduo, do espaço partilhado e do tempo vivido. Por isso, os estudantes devem perceber (e sentir) a responsabilidade de fazer boas escolhas no momento de consumo e produção de “views”. À escola cabe oferecer um espaço coletivo de ingresso nesta cultura para que, verdadeiramente, possamos usá-la enquanto instrumento de aprendizagem responsável.

O ano mal começou e nossos alunos já viveram experiências importantes em seu processo de construção e partilha do conhecimento, como a produção de um vídeo institucional para a conscientização da comunidade escolar sobre um problema mundial (Coronavírus), tendo em vista etapas importantes de trabalho coletivo, tais como: gravar as cenas do vídeo, narrar os cuidados e proteção que devemos ter nesse momento de crise mundial da saúde etc, tudo de forma coerente, aprofundada e informativa, desenvolvendo habilidades que transitam entre as competências de escrita, leitura, oralidade e apreciação estética.

Além disso, disponibilizamos o uso de uma plataforma educacional “Edmodo” como meio de expressão e socialização de descobertas durante os estudos realizados em sala, promovendo um espaço de troca significativa entre os alunos, que, acima de tudo, aprendem a fazer boas perguntas e buscar respostas. Tal oportunidade contribui ainda para a ampliação do repertório do grupo, criando momentos para debates complementares ou apresentação de contraposições e também para a escolha de fontes confiáveis de dados e informações, de modo que cada um possa compartilhar dicas, ferramentas e atividades relacionadas aos assuntos pesquisados e investigados, provocando a interação entre ideias e pessoas.

Os jogos interativos presentes nas aulas de Matemática fazem com que os alunos desenvolvam o pensamento lógico de forma lúdica, ajudando-os a potencializar suas descobertas. E por que não mencionar o QRCode presente no material da série para a revisitação do conteúdo digital apresentado na aula? Um “vale a pena ver de novo” diretamente na sua bancada de estudo é a aula revisitada a qualquer momento.

Mas não pararemos por aí… Vem aí o Grêmio Estudantil e com ele outras linguagens estarão à prova da criatividade de nossos alunos na busca da hipertextualidade.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: