A análise do discurso: um abrir de olhos necessário

COLÉGIO SANTA MARIA

21 de maio de 2021 | 07h00

Natália Ruela, professora de Língua Portuguesa do Ensino Médio

Por que falamos o que falamos? Por que gostamos do que gostamos? Por que queremos o que queremos? Por que acreditamos no que acreditamos? Será mesmo que nossas escolhas são individuais? A teoria da Análise do Discurso (AD) busca evidenciar que os discursos são formados por ideologias coletivas e que nenhum texto é singular, pois sempre trazemos, em nossos discursos, outros discursos, mesmo que de forma não proposital e não consciente e que o que consideramos nossa voz e nossas escolhas é, na verdade, recheado de história, contexto e influência.

Louis Althusser, Jacques Lacan, Michel Foucault, Michel Pêcheux, Eni P. Orlandi, Dominique Maingueneau são alguns dos grandes nomes que subsidiam a AD e que costumam assustar quando entram no ambiente do Ensino Médio. No entanto, no Núcleo de Análise do Discurso, que é uma unidade curricular que faz parte da 2ª série do itinerário de linguagens do Ensino Médio do Colégio Santa Maria, as teorias têm se mostrado leves e fundamentais para a formação de jovens mais críticos e lúcidos em relação à intencionalidade de discursos que os cercam em todos os âmbitos sociais e até mesmo em relação aos próprios ideais, gostos e… discursos.

Por meio de aulas que misturam teoria e prática, os estudantes são convidados a descortinar vozes e traços ideológicos que estão “escondidos” em textos verbais e não verbais, mesmo que, muitas vezes, pareçam ser isentos de ideologia ou de polifonia.

O descortinar dos discursos possibilitado pela AD é importante para ultrapassar a superficialidade da primeira leitura de um texto e também para que o leitor perca a ingenuidade diante de variados discursos falaciosos, tendenciosos e manipuladores. Sem dúvidas, após fazerem parte do Núcleo, os jovens podem ser mais críticos, mais autônomos e conscientes de suas escolhas, pois aprendem a enxergar os fios ideológicos que os cercam e que os constituem como seres sociais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.