O LÚDICO COMO RECURSO PEDAGÓGICO NA APRENDIZAGEM

Colégio Santa Amália

06 de outubro de 2020 | 12h13

Pensar na criança como produtora de cultura é relevante para contribuir com o seu processo de aprendizagem e desenvolvimento. Falar de infância é algo fabuloso que nos remete a serenidade e a complexidade de atuar junto aos bebês e crianças considerando-os protagonistas e exploradores na construção de suas histórias.

Posso considerar que tive uma infância que me proporcionou momentos de muita alegria e prazer. Naquela época podíamos correr pelas ruas, subir em árvores, brincar livremente pelos arredores das nossas casas investigando e explorando, vivenciando as mais incríveis descobertas, desfrutando de muitas possibilidades nas mais criativas brincadeiras que nos faziam crianças felizes e realizadas. A simplicidade dos recursos que utilizávamos promovia situações de criações significativas por meio do simbólico, o processo imaginativo ganhava espaço nas brincadeiras em que as frutas verdes que caíam das árvores se transformavam em pequenos animais da fazenda, era só pegar alguns palitos de fósforo usados e imaginar que eram as pernas de bois, cachorros, entre outros bichos; Uma simples espiga de milho se transformava na boneca de cabelos pretos, castanhos, loiros e  ruivos simbolizando a filhinha nas brincadeiras de casinha, era uma viagem em contato com o mundo da fantasia e imaginação. Fazer comidinha em fogões de tijolos no quintal de casa entre as árvores, nas panelas mais antigas da minha mãe era a brincadeira favorita, quanta satisfação e divertimento!

A criança que brinca, tem a oportunidade de representar e expor seus sentimentos e emoções no simples ato do brincar. Brincando, deixamos transparecer atitudes e comportamentos que não teríamos em situações de comum convivência. Precisamos oferecer às crianças um espaço de aprendizagem por meio do lúdico, visando o seu desenvolvimento cognitivo, social e emocional, precisamos ampliar o olhar e escuta para a brincadeira como um espaço de interação social e produção cultural em que o processo de criação contribuirá no desenvolvimento de bebês e crianças de um modo geral entendendo e compreendendo a importância da brincadeira infantil no desenvolvimento da identidade e autonomia.

Precisamos perceber como bebês e crianças brincam, como se comunicam, o que representam em seus diversos papéis e quais os recursos utilizados em suas brincadeiras para que possamos dar intencionalidade nas ações enquanto aprendem a aprender com alegria.

Bebês e crianças precisam conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se em meio as relações estabelecidas nas suas vivências diárias, precisam ter suas vozes escutadas e valorizadas, precisam ser atendidas em suas necessidades e especificidades.

Qual é o papel educativo nesse processo?

As práticas pedagógicas realizadas nas Unidades Educativas devem valorizar a brincadeira e interação e precisam estar presentes nas ações realizadas como vivências intencionais em que os bebês e crianças sejam autores no processo de aprendizagem e desenvolvimento, pois a criança é vida, precisa vivenciar e participar de maneira efetiva do processo educativo. É importante sensibilizar o olhar para atuarmos de maneira significativa junto às crianças, que os espaços da escola sejam preparados e organizados com intencionalidade para que se transformem em ambientes de aprendizagem que possibilitem que as crianças explorem, investiguem, pesquisem e construam conhecimentos de maneira lúdica e prazerosa vivendo intensamente, que sejam protagonistas de suas histórias experimentando os sabores e saberes de uma infância feliz.

Considerando a brincadeira e a interação como eixos estruturantes que asseguram os direitos de aprendizagem e desenvolvimento das crianças, as vivências diárias nos espaços educativos precisam garantir que os adultos que atuarão junto às crianças tenham um olhar sensibilizado para entender o que a criança precisa respeitando-a como foco e centro da ação educativa acolhendo-a em suas necessidades e desejos valorizando-as como potentes no processo de aprendizagem e desenvolvimento. Nesse momento, as crianças estão se construindo, é importante cultivar e garantir que na relação com os adultos e outras crianças, os tempos de infância sejam validados, que participem de vivências e experiências em que conviva, brinque, explore, expresse-se e conheça várias possibilidades para a construção do conhecimento.

A proposta interativa e lúdica deve ser contemplada nos planejamentos pedagógicos, permitindo uma relação afetiva entre o educador e a criança transformando o espaço educativo em um ambiente criativo de aprendizagem para o desenvolvimento de habilidades que formarão cidadãos reflexivos, éticos e conscientes de seus direitos e deveres sociais.

Considerar as brincadeiras na Primeira Infância como base e alicerce para a construção de saberes é garantir os direitos de aprendizagem dos bebês e crianças, pois enquanto brincam, vivenciam situações em que criam e recriam, constroem e desconstroem tendo a capacidade de desenvolver-se cognitivamente de maneira significativa por meio da ludicidade.

O adulto deve resgatar e recuperar suas memórias lúdicas de infância e buscar também novos conhecimentos e aprendizagens relacionadas ao brincar trazendo para a sua práxis pedagógica momentos prazerosos e significativos de ampliação social e cultural tendo a brincadeira como um elemento fundamental para o desenvolvimento infantil.

Nesse movimento de ver, viver, sentir e criar, bebês e crianças contarão suas histórias como potentes no processo de desenvolvimento revelando suas memórias de infância nessa trajetória em que muitas aprendizagens foram construídas na troca de experiências e saberes.

As vivências ficarão nas lembranças, marcas profundas que jamais se apagarão, pois enquanto brincam, bebês e crianças experimentam um universo cheio de possibilidades, descobrem que para ser feliz é preciso sentir, criar e entrar em contato com um mundo de fantasia e imaginação e com muita serenidade e simplicidade deixar transbordar em seus pequenos e mais puros gestos o calor de sensações e emoções, tecer memórias e sentimentos que revelarão o sabor de uma infância feliz em um processo de descobertas e transformação…

 

Elenice Corrêa de Oliveira Lopes

Coordenadora Pedagógica

CEI Casa da Infância do Menino Jesus / Liga Solidária

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: