Gestão escolar contemporânea: competências de organização e implementação

Colégio Santa Amália

10 de julho de 2019 | 08h00

Com o crescente desenvolvimento da qualidade de ensino, notou-se que a concepção de gestão demandava uma orientação mais abrangente e democrática, uma vez que as tomadas de decisões, até então, eram realizadas pelo gestor “administrador” de forma isolada e sem diálogo com os outros setores da escola. Tal gestor, conforme Lück (1997), resolvia os obstáculos da escola de forma paliativa, sendo a falta de articulação e debate o motivo de fracasso de alguns desses administradores.

Comparando o que propunha o termo administração e o que propõe o termo gestão atualmente, observa-se uma grande distinção de posturas e diretrizes. Salienta-se que essa evolução paradigmática tenha sido relevante para a concepção de gestão atual. Devido à mudança da sociedade contemporânea, caracterizada pelo pluralismo de interesses e de diversidade nas interações, nota-se um embate no que tange à questão da gestão administrativa. Houve, então, a necessidade de mudança, uma vez que a instituição escolar passou a ser entendida como um “organismo vivo”, representado por uma rede de relações, passando a ter um enfoque orientador. Portanto, sua evolução paradigmática traz um novo conceito de organização educacional, que não entende mais a escola como uma máquina controladora.

Segundo Ferreira (1999), gestão é administração, é tomada de decisões, é organização, direção. Relaciona-se com a atividade de impulsionar uma organização a atingir seus objetivos, cumprir sua função, desempenhar seu papel. Esses conceitos devem se manter na mente de qualquer gestor escolar na atualidade, tendo em vista que todo seu trabalho precisa direcionar a formação educacional e social dos alunos presentes na instituição. Toda essa concepção se constitui a partir de um desenvolvimento de referencial de fundamentos conceituais e legais, que norteiam seu trabalho e seu papel de liderança.

Portanto, o gestor escolar deve associar competências e habilidades para gerir o ambiente da escola de forma efetiva, objetivando a melhoria da aprendizagem dos alunos e tendo como cerne de seu trabalho convicções legais e éticas.

Entendendo o conceito de competência

A etimologia da palavra competência vem do latim competentiae, de acordo com o dicionárioCaldas Aulete(2019), significa a “capacidade de realizar algo de modo satisfatório”; “aptidão”. Para Rovai (2010), a pessoa competente é aquela reconhecida por ser detentor de habilidades e aptidões, não estando na qualidade de saber fazer, e sim na mobilização que essas ações demandam. As competências propõem estabelecer os parâmetros necessários para orientar todos os processos que ocorrem na escola, e para direcionar o exercício desses procedimentos.

A qualidade da educação relaciona-se à competência dos profissionais em fornecer a seus alunos e à sociedade experiências formativas e substanciais, capazes de proporcionar o desenvolvimento de conhecimentos, habilidades e atitudes, conforme enfatiza Lück (2009).

De acordo com Perrenoud (2000) e Lück (2009), todo e qualquer profissional, para desempenhar seu conjunto de atribuições de forma efetiva, necessita de conhecimentos, habilidades e atitudes, a fim de alcançar um padrão de desempenho. Compete ao gestor escolar implantar a práxis de orientar o desempenho das competências do trabalho dos profissionais; e incentivar os professores ao auto monitoramento e avaliação, o que servirá como estratégia para alcançar as competências necessárias.

O profissional da educação deve se habilitar de forma integral, conforme postula a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional): “a presença de sólida formação básica, que propicie o conhecimento dos fundamentos científicos e sociais de suas competências de trabalho” (Art. 61, Lei no 9.394).

As competências de trabalho são desenvolvidas por meio de uma formação que capacite o profissional e o desenvolva, fomentando nele a capacidade de articular bem suas competências de trabalho e pô-las em prática. Assim, ele compreenderá bem o valor de se ressaltar essas habilidades, associando teoria e prática de uma forma efetiva.

Competências de organização e implementação

Segundo Lück (2009), podemos metodizar a gestão escolar em 10 dimensões, postas em duas áreas: organização e implementação. As dimensões que abarcam a organização relacionam-se a todos os objetivos de ordenação, preparo e elaboração, tendo como cerne dessa categoria a garantia das estruturas básicas e necessárias para pôr em prática os objetivos educacionais visados pela instituição.

É importante frisar que as dimensões de organização não proporcionam as mudanças necessárias diretamente, ainda que auxiliem para a articulação de ações, mas são fundamentais para que as dimensões responsáveis por efetivar tais propostas sejam realizadas de maneira eficiente.

Essas dimensões abrangem os fundamentos da educação e gestão escolar, seu planejamento, monitoramento, avaliação de ações que a escola promove, de forma que seus resultados sirvam como aporte para as ações educacionais que serão realizadas e tenham como núcleo a promoção da aprendizagem do aluno.

As dimensões de implementação são aquelas que desempenham um papel de aplicação de todo o planejamento realizado na organização. É nesse momento que se promove diretamente as mudanças que se julgam necessárias para a instituição. Aludindo ao fundamento das dimensões de implementação, Lück (2009) explana que elas envolvem aspectos da gestão democrática e participativa, gestão de pessoas, gestão administrativa e pedagógica, tendo como objetivo o desenvolvimento integral do aluno e a qualidade de ensino.

A gestão escolar deve atuar com a intenção de que todos os componentes da escola trabalhem por meio de inter-relações, tendo as competências valor fundamental para que as ações desse diretor ocorram de forma assertiva e pautada no diálogo, para assim chegar ao que a escola tem como objetivo: um ambiente acolhedor e mediador de conhecimento aos alunos.

Maria Olivia Velloso Assumpção

Colégio Santa Amália- unidade Saúde

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.