Formando leitores competentes

Colégio Santa Amália

22 Novembro 2018 | 14h55

Desde bem pequenas, podemos investir em estratégias que serão grandes facilitadoras do desenvolvimento da leitura nas crianças.

Ter à disposição delas, para manuseio e apreciação, obras de boa qualidade, de autores como Eva Furnari, Tatiana Belinky, Ziraldo, Monteiro Lobato, Ruth Rocha, Ana Maria Machado, Ilan Brenman, Cecília Meireles, José Paulo Paes, Maria Clara Machado, Roald Dahl, Audrey Wood,Antoine de Saint- Exupéry, Charles Perrault, Hans Christian Andersen, Irmãos Grimm entre outros tantos consagrados, desperta o interesse e as repertoria, tornando o ambiente propício para aguçar o gosto pela leitura.

Mais importante do que criar um espaço que estimule, é ser um modelo para elas. Os adultos que convivem com a criança são os principais incentivadores. Vai ser muito mais fácil para ela criar o “gosto pela leitura” se conviver com pessoas que também tenham o mesmo interesse, se as histórias fizerem parte da rotina dela, tanto em casa quanto na escola, e se escutarem uma história todos os dias.

Além de ter um bom modelo, cria-se um laço afetivo, uma memória prazerosa com essa prática, que não deve ser quebrada ao longo do crescimento. Muitas vezes, o adulto acaba abandonando o pequeno leitor quando ele adquire uma certa fluência, quando já consegue “ler sozinho”, mas é importante continuar lendo para aqueles que já sabem ler. Há aspectos, como pontuação, entonação, coerência e coesão, que, aos poucos, eles vão se apropriando também, mas precisam continuar sendo estimulados.

Na escola, de acordo coma autora Isabel Solé (1988), as estratégias de leitura são as ferramentas necessárias para o desenvolvimento da competência leitora. A utilização delas permite compreender e interpretar, de forma autônoma, os textos lidos, e pretende demonstrar a importância de desenvolver um trabalho efetivo no sentido da formação do leitor independente, crítico e reflexivo.

Muitas atividades de leitura escolares são direcionadas apenas para avaliar a compreensão dos alunos e não para o ensino de estratégias que formem o leitor competente.

Segundo a autora citada acima, para garantir uma formação efetiva, há estratégias de compreensão leitora para antes da leitura. São elas: antecipação do tema ou ideia principal a partir de elementos como título, subtítulo ou exame de imagens; levantamento do conhecimento prévio sobre o assunto; expectativas em função do suporte, da formatação do gênero, do autor ou instituição responsável pela publicação.

As atividades durante a leitura devem contemplar: confirmação, rejeição ou retificação das antecipações ou expectativas criadas antes da leitura, localização ou construção da ideia principal, inferência ou consulta ao dicionário para palavras desconhecidas. Também a formulação de conclusões implícitas no texto, com base em outras leituras, experiências de vida, conhecimentos prévios e formulação de hipóteses a respeito da seqüência do enredo devem ser realizadas. Além disso, é igualmente necessária a identificação de palavras-chave, a busca de informações complementares, a relação de novas informações ao conhecimento prévio e o estabelecimento de conexões com outros textos.

Após a leitura, as atividades recomendadas são: construção da síntese semântica do texto, por meio do registro escrito para melhor compreensão e a socialização de impressões a respeito do texto lido, tirando conclusões e avaliando criticamente o texto.

As estratégias ajudam o estudante a mobilizar e utilizar seus conhecimentos prévios, a realizar inferências para interpretar o texto, a identificar as coisas que não entende e esclarecê-las, para que possa reorganizar as informações encontradas, por meio de sublinhados e anotações ou num pequeno resumo, por exemplo.

Ler para poder se direcionar num mundo em que há tanta informação, esse é o desafio! A leitura não deve ficar apenas no que dizem as palavras, mas incorporar o que elas trazem para transformar nosso próprio conhecimento. É imprescindível dialogar com o texto, deixar que ele proponha novos desequilíbrios, questionar ideias enraizadas e nos levar a construção de novos paradigmas.

Se o nosso objetivo é formar cidadãos críticos, atuantes, reflexivos e autônomos, capazes de transformar nosso mundo em um lugar melhor, devemos começar desbravando o mundo da leitura. Ele pode nos levar para qualquer lugar!

Ler é viajar, viajar é mudar, mudar é transformar, transformar é recriar, recriar é ler tudo outra vez!

 

Professora Silvia Boarini Gianellini

Colégio Santa Amália