Bullying: aspectos, consequências e formas de combatê-lo

Colégio Santa Amália

24 de junho de 2019 | 12h28

Quando criança, todos aprendemos e tentamos reproduzir a ideia de que,para conviver harmoniosamente em sociedade,devemos respeitar o próximo, assim como as diferenças que nos tornam singulares. Entretanto, essa noção de tolerância vem sendo ameaçada pelo bullying, prática de violência que deve ser combatida com esforços da escola e das famílias.

Em primeiro lugar, é importante reconhecer o bullying como uma forma de agressão. Criado em 1980, o termo diz respeito à violência intencional e desempenhada por uma ou mais pessoas, conhecidas como “bullies”, contra um determinado indivíduo, sendo capaz de intimidá-lo e humilhá-lo por meio verbal, físico, ou pela internet.

Nesse sentido, os ataques verbais acontecem em forma de piadas, insultos e xingamentos, enquanto a agressão exercida na internet ocorre com a ajuda das redes sociais que, muitas vezes, impulsionam a difamação e as ofensas.

Além disso, é necessário compreender que essas formas de violência podem evoluir para a coerção física e, muito mais do que machucados superficiais, deixam marcas na alma daqueles que vivem na pele o peso e as dores causadas pelas provocações.

Assim, atinge-se a percepção de que as vítimas do bullying podem desenvolver sérios danos à saúde mental, como a depressão, o transtorno de ansiedade, a fobia social e a síndrome do pânico, uma vez que os períodos da infância e da adolescência são de extrema importância para o desenvolvimento cognitivo, processo em que, de acordo com Jean Piaget, em seu estudo acerca da evolução intelectual conduzido em 1972, o indivíduo torna-se capaz de compreender a si, o ambiente e os fatos que ocorrem à sua volta.

Do mesmo modo, Dan Olweus, professor de psicologia da Universidade da Noruega e pioneiro na pesquisa relacionada ao bullying, realizou um estudo, em 1994, que comparava a conexão entre as tendências suicidas e o fenômeno do bullying, chamando atenção para suas graves consequências.

Nesse sentido, para evitar que as agressões evoluam, é imprescindível que os pais, os responsáveis e a escola estejam sempre atentos aos sinais do bullying, como a perda de interesse em questões escolares, isolamento, baixa autoestima, medo de ir para o colégio, choro e mudanças de humor sem causa aparente.

Ademais, a identificação do bullying como um real problema é fundamental, pois, muitas vezes, a questão é vista como brincadeira, ou até mesmo como frescura. Isso pode fazer com que a vítima não se sinta à vontade para conversar a respeito do que está acontecendo e sobre seus verdadeiros sentimentos, pois está com vergonha, receio, pavor e em profundo sofrimento.

Dessa forma, a família corresponde a uma parte muito significativa no combate e prevenção ao bullying, uma vez que possui grande responsabilidade no processo de socialização da criança e do adolescente, devendo orientar, acolher, supervisionar e proteger.

Outrossim, cabe à justiça, de acordo com a cartilha “Bullying não é legal”, emitida pelo Ministério Público em parceria com o Centro de Apoio Operacional Cível e de Tutela Educativa Educação e com a Associação Paulista do Ministério Público, impedir e refrear as infrações que coloquem em risco a integridade da criança e do adolescente.

Por fim, cabe à escola a fiscalização para que atos de agressão moral, psicológica e física não aconteçam. A instituição também deve fornecer o apoio e amparo necessários para que os alunos se sintam confortáveis em falar sobre seus sentimentos.

Pensando nisso e em outras questões socio-educacionais, o Colégio Santa Amália, na busca por uma educação humanista, estabelece, no Ensino Fundamental I, o ensino de Valores e Cultura, ampliando a capacidade de convivência dos alunos por meio do aprofundamento de temas como a ética, a justiça, a tolerância e a solidariedade.

Um dos maiores objetivos é desenvolver condições para que as crianças e os jovens participem da vida em sociedade de forma crítica e autônoma, e sejam capazes de se indignarem com as injustiças sociais e desejarem uma vida digna para si mesmo e para a sociedade.

Da mesma maneira, no Ensino Fundamental II e Ensino Médio, o Colégio desenvolve a Tutoria, matéria que tem como objetivo a construção da identidade do grupo por meio de discussões, aulas interativas e jogos educativos, buscando maior diálogo entre escola e aluno.

A palavra tutoria vem do latim tueiri, que significa proteger, ter cuidado com. Neste sentido, o professor-tutor é encarregado de tomar conta de outra pessoa, de zelar por ela e de ajudar, se for preciso, a superar dificuldades.

A tutoria proporciona momentos de trocas de conhecimentos por meio da oralidade, de explicações sobre um determinado assunto e favorece a expressão de angústias e sofrimentos próprios deste momento de formação,com o objetivo de prevenir que atos como o bullying aconteçam, formando, assim, cidadãos socialmente responsáveis na busca por um mundo melhor.

Professora Sirlene Serpa Lamim Babinska

Colégio Santa Amália 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: