Especialistas do Colégio Salesiano debatem o papel dos professores na trajetória escolar
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Especialistas do Colégio Salesiano debatem o papel dos professores na trajetória escolar

Colégio Salesiano

21 de fevereiro de 2018 | 17h17

A necessidade e intervenção desse profissional é cada vez mais essencial para contribuir para o letramento, alfabetização e uma efetiva prática motora das crianças na chamada primeira infância.

A educação da criança não depende só dela para que o desenvolvimento ocorra e, sim, de um conjunto de estruturas: os pais, os professores e a vontade espontânea do pequeno, que deve ser estimulado pelos dois primeiros elementos. Ou seja, se tais “engrenagens” não se comunicam, quem tem a perder é o aluno. Nesse sentido, a primeira infância – período entre 0 e 6 anos – cada vez mais tem se destacado em diversos pontos quanto a sua relevância. A atuação dos professores em relação ao desenvolvimento psicomotor na primeira infância é essencial para contribuir para o letramento, alfabetização e uma efetiva prática motora das crianças. “A pré-escola é uma fase determinante para a aprendizagem e a formação da personalidade da criança, que se desenvolve até os 7 anos de idade. E é justamente nesse período que ela busca uma imagem para se espelhar além dos pais, já que é quando começa a se reconhecer”, explica Marilda Martins Pereira de Souza, diretora pedagógica do Colégio Salesiano Santa Teresinha, sediado na Zona Norte de São Paulo. Saiba mais sobre esse unidade clicando aqui.

A alfabetização, sobretudo, é um processo que começa muito antes da entrada da criança na escola, quando é submetida a mecanismos formais de aprendizagem da leitura e da escrita. No entanto, o professor é a base que sustenta essas práticas, cabe a ele o papel da incluí-las no planejamento e desenvolvê-las conforme as realidades que emergem das escolas públicas e privadas. Nem sempre é fácil decifrar se a proposta pedagógica de uma instituição está à altura do esperado. É importante estar atento aos sinais dos pequenos estudantes para saber como está a relação deles com o mestre. Quando começam a manifestar alguma resistência para ir à escola, por exemplo, é bom ficar de olho!

Esse é o momento exato de investigar o que realmente acontece no ambiente escolar. Primeiramente, converse com o seu filho. Em seguida, procure as mães dos coleguinhas de classe para verificar se essa reação é geral. O motivo de tal preocupação é de extrema importância, já que qualquer trauma nessa idade tende a acarretar danos na personalidade, aliás, difíceis de serem removidos, seja no presente ou na fase adulta. “Toda a criança tem o seu perfil, umas são mais quietas e outras mais levadas. Se o professor chamar a atenção dela na frente dos coleguinhas, ela pode se sentir humilhada. E se essa atitude é feita com frequência, então, além de não surtir efeito algum, pode torná-la uma pessoa retraída, insegura e com a autoestima fragilizada”, complementa Angélica Biazioli, coordenadora do Ensino Infantil, Fundamental 1 e Integral do Liceu Coração de Jesus, unidade do Colégio Salesiano que funciona há mais de um século no Centro da capital paulista.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.