Afrofuturismo aliado à educação constrói cidadãos do mundo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Afrofuturismo aliado à educação constrói cidadãos do mundo

Colégio Salesiano

10 de setembro de 2019 | 16h27

O movimento que desconstrói paradigmas chegou às salas de aula do Liceu Coração de Jesus e resultou em uma exposição aberta ao público

Arte, estética, música, moda, cinema, história e muito mais, o movimento Afrofuturismo é amplo e pode ser aplicado em qualquer espaço, inclusive dentro da sala de aula. Foi o que a professora de língua portuguesa do Liceu Coração de Jesus, Analu Pandorf, pensou ao abraçar o tema para desenvolver um projeto com os alunos do 8º ano do Ensino Fundamental II, unindo o livro do grande influenciador no Brasil, Fábio Cabral, “O caçador Cibernético da rua 13” e o filme Pantera Negra.

Visando desconstruir conceitos enraizados na nossa sociedade, o Afrofuturismo, como o próprio nome diz, tem um toque determinante de ancestralidade e um viés futurista, propondo um resgate de mitologias africanas em contextos futuristas. O projeto, iniciado em maio, abordou temas como o protagonismo de personagens negros, narrativa negra de fantasia e ficção científica, centralidade da agência africana e protagonismo de autores negros.

Segundo a professora, trabalhar um tema atual como a diversidade dentro da escola é muito importante e despertou em todos muito interesse e empenho, desde as pesquisas até as produções artísticas que escolheram fazer. “Somos uma escola católica inclusiva, cidadã e acolhedora, formamos cidadãos para o mundo, com valores que compreendem o trinômio razão, religião e carinho, e com o apoio da professora Giceli Marcelino de Ensino Religioso, o debate à diversidade foi muito produtivo e enriquecedor”, complementa Analu.

Atualmente, alinhar o interesse dos alunos à didática pode ser um desafio, mas oferecer a liberdade para os alunos desenvolverem suas ideias em relação a um tema muito abordado pelas mídias pode resultar em feedbacks surpreendentes. Os alunos costumam ser bem informados e preocupados, eles se sentem representados quando o assunto é atual e ficam felizes em poder participar, com isso questionam mais e trazem dados pertinentes e relevantes. “Temos que dar a oportunidade para que falem e se expressem em suas diversas formas, isso é a construção de uma didática acolhedora”, diz a professora.

O resultado do projeto pode ser visto na exposição aberta ao público, localizada do Liceu Coração de Jesus. Nela, há diversos trabalhos artísticos produzidos pelos alunos como representação do filme Pantera Negra, pesquisas e painéis sobre literatura, audiovisual, moda e música no Afrofuturismo. “A arte faz parte da nossa vida e é fundamental na formação do indivíduo. Aliar isso ao ensino é transformador e só agrega”.

 

Agenda:

Exposição sobre Afrofuturismo

Biblioteca do Liceu Salesiano Coração de Jesus

Alameda Dino Bueno, 285 – Campos Elíseos

Até 13 de setembro

Das 8h30 às 16h30

Entrada Gratuita

Tudo o que sabemos sobre:

AfrofuturismoeducaçãoLiceuexposição

Tendências: