Os benefícios do Rugby e sua tradição no Colégio Branco

Os benefícios do Rugby e sua tradição no Colégio Branco

Colégio Rio Branco

28 de março de 2019 | 11h19

A prática do Rugby na unidade Granja Vianna do Colégio Rio Branco, além de ser uma tradição, é uma modalidade cada vez mais procurada pelos estudantes, em diferentes idades e cada vez mais cedo.

A primeira equipe surgiu em 1976, dentro do colégio. Na década de 80, alunos e ex-alunos resolveram fundar o Rio Branco Rugby Clube – time oficial, conhecido também como Pelicanos – filiado a Federação Paulista de Rugby e a Confederação Brasileira de Rugby.

Além do desenvolvimento físico e motoro das crianças, a modalidade ainda estimula importantes aspectos e valores como o trabalho em equipe, respeito aos colegas, pais, professores e árbitros.  Altruísmo, alteridade, paixão, segurança, coragem e senso de justiça competitiva.

No cenário esportivo mundial, o Rugby também é destaque, já que o esporte retornou nas últimas Olimpíadas, após 92 anos sem participar.

Além da prática da modalidade como curso livre gratuito para os alunos durante a semana, a instituição também realiza periodicamente as Clínicas de Rugby, abertas à comunidade e promovidas aos finais de semana, de maneira que as crianças e jovens possam levar amigos, família e assim, ajudar a despertar o gosto pelo esporte e divulgar a prática do Rugby.

Circuito Infantil

No último final de semana, por exemplo, a instituição realizou o Circuito Infantil de Rugby Rio Branco, no dia 23 de março, que contou com a presença de alunos, amigos, familiares, educadores e escolas convidadas.

Durante o circuito, aconteceram jogos com as categorias M08, M10, M12 e M14, disputando os jogos no período da manhã. No período da tarde, aconteceu o circuito feminino de Rugby, no final do dia, um amistoso de XV com equipes da categoria juvenil. As escolas que participaram foram: Liceu Pasteur, SPAC Rugby e São Bento Rugby.

O evento foi organizado pela coordenadora do Rio Branco Rugby Clube e professora, Adriana Moraes, e pelo professor de Rugby Willian Viana, com apoio do coordenador de esportes, Eduardo Brito.

Como jogar

Existem quatro formas diferentes de obter pontos em um jogo de rugby:

Try (ensaio ou tento): É quando o jogador fixa a bola com a mão na área depois da linha do in-goal. É a forma mais comum e vale cinco pontos.

Conversão: Após marcado o Try, a equipe tem o direito de tentar fazer a bola passar por cima da trave e entre os postes, sendo a bola colocada a qualquer distancia da linha do in-goal, desde que esteja perpendicular (em frente) à linha onde foi cravado o Try. Vale dois pontos.

Drop Goal: É a tentativa de fazer a bola passar por cima da trave e entre os postes do adversário ao longo da partida, sendo que a bola tenha tocado o chão antes do chute. Vale três pontos.

Penalidade: No caso de faltas graves no jogo, o juiz para o jogo e a equipe beneficiada pode optar por colocar a bola no local da infração e chutá-la em direção às traves. A bola entra em jogo logo após o chute podendo ser disputada se não for convertida. Vale três pontos.

A professora e treinadora, Adriana Moraes, explica técnicas e regras para as crianças

Ponto para o Rugby!

Para falar um pouco dessa modalidade, que tem origem na Inglaterra, a professora e treinadora, Adriana Moraes Alves listou os principais motivos que podem refletir positivamente em diversos aspectos da vida da criança e do jovem:

Diversão
Coletivo, intenso e dinâmico. O esporte sendo divertido torna sua aprendizagem mais significativa.

Desenvolvimento social
Amigos, crenças, sociabilidade.

Capacidades físicas e psicológicas
Ganho deforça, melhora no condicionamento físico e fortalecimento da autoestimao que resulta emalunos mais bem dispostos e confiantes.

Valores
Trabalho em equipe; respeito aos colegas, pais, professores e árbitros (somente o capitão pode falar com o árbitro, chamando-o de senhor).  Altruísmo, alteridade, paixão, segurança, coragem e senso de justiça competitiva.

Habilidades motoras da modalidade
Correr, avançar, “tackelar”, receber, passar, chutar.

Aspectos cognitivos
Todo o contexto do esporte e suas regras incentivam outras maneiras de movimentação e ação. Exemplo: passar a bola pra frente e correr para trás, sem receber a posse de bola à frente. Entender o conceito do jogo permite maiores conexões neuromotoras, ampliando o repertório motor e melhorando decisões sobre uma determinada situação.

Nesse esporte, o passe de bola é sempre para trás e a corrida para frente – o que permite agilidade de raciocínio e ação. Em outros esportes mais populares, a bola sempre segue à frente dos jogadores.

Tomada de decisão
Objetividade e rapidez nas tomadas de decisões, com a escolha mais correta e em um curto espaço de tempo. A exemplo do que acontece em provas de universidades e testes de resultados como vestibulares e Enem.

Autonomia
Permite maior independência.

Senso crítico
Julgar com mais responsabilidade as ações dentro e fora de campo.

Um esporte para todas as características físicas
Todos são bem vindos: pequeno, grande, alto ou baixo. Integração e aceitação da diversidade.

Adriana Moraes Alves é professora e treinadora do Rio Branco Rugby Clube, dentro do Colégio Rio Branco. Apaixonada pelo esporte é também treinadora da equipe universitária da Biologia Tsunami USP e uma das professoras do Alma Rugby.