Língua Portuguesa e Matemática: qual é a importância do estudo dessas áreas para a educação?

Língua Portuguesa e Matemática: qual é a importância do estudo dessas áreas para a educação?

assessoriaimprensa

06 de maio de 2022 | 10h15


As duas disciplinas, por vezes vistas como distantes, são fundamentais para a formação básica dos brasileiros e podem ser integradas em projetos educacionais

O português e a matemática andam lado a lado no currículo brasileiro. Com o novo formato do Enem, são as únicas duas disciplinas, além da língua estrangeira, que estarão obrigatoriamente na prova de todos os candidatos. Coincidentemente, as duas áreas também estão próximas no calendário oficial de datas comemorativas.

 Dia Mundial da Língua Portuguesa (05/05)

No dia 5 de maio, celebra-se o Dia Mundial da Língua Portuguesa. A data foi oficializada em 2019 pela Unesco. No entanto, o início da comemoração é um pouco mais antigo: em 2009, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) já tinha estabelecido oficialmente a data como um momento para celebrar o idioma e as culturas lusófonas.

 Dia Nacional da Matemática (06/05)

Já o Dia Nacional da Matemática, celebrado anualmente em 6 de maio, teve a sua aprovação oficial em 2013, quando a lei nº 12.835 foi sancionada. A escolha desse dia, em específico, ocorreu em homenagem ao aniversário de Júlio César de Mello e Souza, também conhecido como Malba Tahan, um importante matemático e escritor brasileiro.

A Língua Portuguesa na escola

Ao analisar o ensino do português nas salas de aula, é possível notar que o conteúdo vai além do básico do idioma, e inclui, sempre, manifestações culturais e individuais. Passa a ser, portanto, um meio de desenvolver o respeito e estudar outras disciplinas, configurando papel fundamental na formação de cada cidadão.

“Essa nova visão do que seria uma língua não acontece se ela não for pensada como uma manifestação que ocorre em um determinado espaço, em uma determinada sociedade histórica, social e culturalmente determinada. Significa dizer que esse componente curricular está, em sua essência, integrado aos demais (como História, Geografia, Sociologia, Filosofia, Artes…), uma vez que, quando se trabalha, por exemplo, variedades linguísticas, todos esses aspectos vão sendo identificados”, explicaram, em conjunto, Rosane Cesari, coordenadora de Língua Portuguesa do Colégio Rio Branco, e Marcia Pelachin, coordenadora de redação.

A Matemática como disciplina

De acordo com o documento oficial da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), “no Ensino Médio, na área de Matemática e suas Tecnologias, os estudantes devem utilizar conceitos, procedimentos e estratégias, não apenas para resolver problemas, mas também para formulá-los, descrever dados, selecionar modelos matemáticos e desenvolver o pensamento computacional, por meio da utilização de diferentes recursos da área.”

Logo, assim como acontece com a Língua Portuguesa, o domínio da Matemática ultrapassa um bom desempenho exclusivamente na disciplina. Conhecimentos mais amplos permitem que o estudante desenvolva ideias, leia livros e manuais técnicos, estabeleça raciocínio lógico e criativo, solucione contas e problemas cotidianos, além de aprimorar sua habilidade tecnológica. 

“À medida que avançamos na escolaridade, a Matemática desenvolve a capacidade de abstração, de generalização e a compreensão de expressões cotidianas, por meio do uso dos símbolos, favorecendo um outro olhar frente aos problemas que a vida cotidiana proporciona”, explicou a coordenadora de Matemática, Kelly Sacardi.

O encontro entre as duas áreas

“Tanto a Matemática quanto a Língua Portuguesa são linguagens cujo domínio é desenvolvido de modo sistemático na escola. Não há entre as duas áreas uma gama comum de habilidades; no entanto, elas se complementam quando pensamos, por exemplo, nas relações lógicas exigidas na construção de uma argumentação, ou na justificativa verbal para uma resolução matemática”, apontam Cesari e Pelachin.

No Colégio Rio Branco, o trabalho com projetos interdisciplinares promove uma intersecção entre diferentes componentes curriculares. Desse modo, o estudante compreende a integração entre conhecimentos de diversas áreas, desenvolve pensamento analítico e crítico e exercita ações de protagonismo ao pensar soluções para problemas complexos da vida real.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.