Colégio Rio Branco sediará o 3º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação – Jeduca

Colégio Rio Branco sediará o 3º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação – Jeduca

Inscrições abertas para evento que discutirá a era da desinformação, educação midiática e novos e antigos desafios da área

Colégio Rio Branco

29 de julho de 2019 | 19h31

Foto: Alice Vergueiro/Jeduca

Quais são os desafios da cobertura de educação num cenário em que o jornalismo disputa espaço com informações, nem sempre verdadeiras, que circulam em aplicativos e nas redes sociais? De que maneira a experiência recente dos Estados Unidos pode colaborar para repórteres e editores transitarem nesse cenário? Como o jornalista pode usar as redes a seu favor na apuração? E a LAI (Lei de Acesso à Informação)?

Esses serão alguns dos temas de debate do 3º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação da Jeduca, que acontece nos dias 19 e 20 de agosto (segunda e terça-feira), no Colégio Rio Branco, em São Paulo. As inscrições podem ser feitas no site congresso.jeduca.org.br

“É desafiador dar conta de toda a diversidade do campo educacional em dois dias. Por isso, procuramos ser coerentes com os eixos propostos, pensando sempre no que seria mais útil e prioritário para qualificar o trabalho do jornalista de educação no momento”, explica o presidente da Jeduca, Antônio Gois. Colunista do jornal O Globo, Gois abrirá o congresso apresentando uma pesquisa inédita realizada pela associação, sobre o perfil dos jornalistas de educação no Brasil.

As mesas e oficinas do evento foram pensadas para oferecer aos participantes ferramentas para navegar no ambiente contemporâneo de circulação de informação e de notícias e, também, para ajudar jornalistas e produtores de conteúdo a entender melhor a pauta da educação da atualidade, marcada por temas tradicionais (como currículo, financiamento, formação de professores) e novos (como homeschooling e escolas militares).

Associados da associados da Jeduca que moram fora da cidade de São Paulo poderão concorrer a bolsas para participar do congresso, com as despesas de transporte e hospedagem pagas pela associação.

Oficinas práticas e debates terão destaque

Programação

Nos dois dias de evento, o período da manhã e início da tarde serão dedicados a debates e mesas no auditório. Ao todo, haverá 15 mesas e 7 oficinas com atividades que se distribuem em três eixos: era da desinformação, educação midiática e novos e antigos desafios da educação.

No dia 19, a programação começa com Paula Cesarino Costa, editora de Diversidade e ex-ombudsman da Folha de S.Paulo, que analisa o novo ambiente do jornalismo. Na sequência, será realizada a mesa “Como as informações, falsas ou verdadeiras, nascem e se espalham”, com Pablo Ortellado, filósofo e professor da USP (Universidade de São Paulo), e Tomás Durán, diretor de Pesquisa da CUN (Corporação Unificada Nacional de Educação Superior) da Colômbia. Durán estuda as relações entre as novas tecnologias e a participação política. A terceira sessão  será “A visão do novo Congresso sobre a educação”, com a participação de deputados da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados.

A programação da tarde será aberta com LynNell Hancock, professora da Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, em Nova York, e repórter de educação e infância que já trabalhou para a Newsweek, The Nation, The New York Times e Village Voice, entre outros veículos. LynNell vai falar sobre a cobertura de educação nos Estados Unidos no contexto da Era Trump.

Na manhã do dia 20, na primeira sessão, jornalistas contam como foi participar da cobertura das crises no MEC (Ministério da Educação) nos primeiros meses do governo Bolsonaro. Em outra mesa, também de manhã, professoras das redes municipais de Sobral (CE) e Lagoa Santa (MG) mostram como é, na vida real, o processo de alfabetização de crianças, em meio à discussão que tomou conta do país sobre as metodologias que seriam mais adequadas para superar um dos principais desafios da educação brasileira.

Também estão programados debates sobre temas que têm dominado a pauta de educação – como o impacto da polarização política e do contingenciamento de verbas sobre as universidades públicas, o efeito da pauta moral, como a defendida pelo Escola sem Partido, no cotidiano das escolas, a implementação da BNCC (Base Nacional Comum Curricular) na prática e o papel da formação docente na preparação dos professores para enfrentar os desafios da sala de aula.

Já confirmaram participação na mesa “A universidade em tempos de conflito” o reitor da USP, Vahan Agopyan, e a reitora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro),  Denise Carvalho. A professora Debora Garofalo, que atua na rede municipal de São Paulo e foi finalista do Global Teacher Prize, conhecido como o Nobel da Educaçao, já confirmou presença na mesa “Quais são os desafios que um professor enfrenta na sala de aula e de que maneira a formação docente pode prepará-los para lidar melhor com eles?”.

Atendendo à demanda dos participantes da segunda edição do congresso, a quantidade e a duração das oficinas foram ampliadas. Este ano, elas terão duas horas. “O objetivo é permitir que os participantes se aprofundem nos temas e desenvolvam habilidades que façam a diferença nas pautas”, explica o vice-presidente da Jeduca, Fábio Takahashi.

As oficinas foram pensadas com o objetivo de colocar os congressistas em contato com temas atuais e relevantes para quem quer transitar com mais facilidade em meio à intensa produção e disseminação de informações. Eles poderão aprender a montar um bot para acompanhar postagens no Twitter, identificar e localizar as principais bases com dados sobre educação, conhecer  plataformas de fácil acesso para consulta informações educacionais e saber como usar as redes sociais a seu favor durante uma apuração.

O desafio do financiamento da educação, em meio aos debates sobre a renovação do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), e o papel dos jornalistas no enfrentamento das fake news também serão temas de oficinas.

O jornalista da TV Globo Luiz Fernando Toledo ensinará como se apoiar na Lei de Acesso à Informação para apurar pautas de educação. Já um grupo de pesquisadores do Instituto Palavra Aberta explica o que é educação midiática e como os jornalistas podem contribuir no combate às chamadas fake news (notícias falsas).

O congresso também oferecerá uma atividade sobre funcionalidades do Google e outras ferramentas gratuitas. E abordando a utilização de bots para fins benéficos como checagem de informações, o editor do Volt Data Lab, Sérgio Spagnuolo, ensina os participantes como desenvolver robôs para acompanhar o que é postado no Twitter.

O 3º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação conta com o patrocínio master da Fundação Lemann, Fundação Telefônica Vivo, Instituto Unibanco, Itaú BBA e Itaú Social, com o patrocínio da Editora Moderna e do Google News Initiative e com o apoio da Abraji, Canal Futura, Colégio Rio Branco, Embaixada e Consulados dos Estados Unidos no Brasil, Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia (EUA), Fiquem Sabendo, Instituto Palavra Aberta e Loures Consultoria.

Associados da associados da Jeduca que moram fora da cidade de São Paulo poderão concorrer a bolsas para participar do congresso, com as despesas de transporte e hospedagem pagas pela associação.

Serviço
3° Congresso Internacional de Jornalismo de Educação
Programação completa e inscrições no congresso.jeduca.org.br
Dias 19 e 20 de agosto, das 9h às 18h30
Local: Colégio Rio Branco
Avenida Higienópolis, 996 – São Paulo (SP)
Valores: estudantes de jornalismo R$20,00; associados Jeduca R$ 40; jornalistas não associados, assessores de comunicação, educadores e outros R$80,00

O local do evento conta com rampas de acesso e elevadores. As sessões realizadas no auditório terão tradução em Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Sobre a Jeduca
A Jeduca é uma associação criada por jornalistas que cobrem educação, para apoiar colegas que trabalham com o tema. A organização também produz materiais que auxiliam os jornalistas na cobertura dos diversos temas dentro da área como guias, reportagens e bastidores das apurações. A entidade ainda oferece uma rede com os jornalistas de educação, para troca de ideias e de informações, e cursos de formação para profissionais já em atividade e para estudantes de jornalismo.

Informações: Jeduca.

Tendências: