Campanha pede doação de tablets e iPads usados para estudantes surdos

Campanha pede doação de tablets e iPads usados para estudantes surdos

A ação conta com o apoio dos alunos da Monitoria Rio Branco

Colégio Rio Branco

03 de agosto de 2020 | 09h23

Todas as aulas são ministradas em Libras (Língua Brasileia de Sinais).

Em tempos de pandemia, a falta de equipamentos adequados e uma internet de qualidade podem prejudicar o aprendizado dos estudantes, o que aumenta a desigualdade social e de oportunidades para as minorias. No caso de crianças e adolescentes surdos, essa demanda é ainda maior, em razão do papel de importância que os recursos tecnológicos desempenham na acessibilidade, comunicação, ensino e aprendizagem desses estudantes.

Diante dessa realidade, o Centro de Educação para Surdos Rio Branco (CES), localizado na região de Cotia, em São Paulo, lançou uma campanha para arrecadação de tablets e iPads usados (em bom estado) ou novos.

De acordo com a diretora do CES, Sabine Vergamini, a ideia da campanha surgiu ao constatar que muitos alunos não possuem equipamentos adequados para o acesso às aulas remotas e, muitas vezes, o único dispositivo disponível em casa precisa ser compartilhado com irmãos, pais e outros familiares, que também estão em horário de trabalho ou fora da residência durante parte do dia.

“Nós já emprestamos todos os tablets e iPads disponíveis na escola, mesmo assim não foi suficiente e muitos aparelhos dos próprios alunos também já quebraram, devido ao uso. Além disso, existe uma grande carência desse tipo de material, já que a maioria das crianças tem acessado as aulas pelo celular, que não é o ideal, por dificultar a visualização da Língua Brasileiras de Sinais (Libras), adotada em todas as aulas ”, explica a diretora.

Segundo ela, a mesma dificuldade também acontece quando as crianças precisam gravar uma resposta para os professores em Libras utilizando o celular, pois a qualidade das imagens e o manejo do aparelho nem sempre são adequados, diferente de um equipamento maior.

Para os interessados em fazer a doação, as crianças precisam de dispositivos que suportem os aplicativos Google Classrom e Hangouts Meet, com as seguintes configurações: Tablet com Sistema Operacional Android – requer Android 5.0 ou superior; e Ipad com sistema operacional iOS – requer iOS 11.0 ou superior.

A campanha conta com o apoio dos alunos da Monitoria Rio Branco, do Colégio Branco, responsáveis pela comunicação com os doadores e pelo agendamento para a retirada dos equipamentos na Grande São Paulo. O número do contato para as doações é (11) 94139-9231.

Caso seja arrecadado um número excedente de aparelhos, o material será encaminhado para outras instituições parceiras no ensino de crianças e jovens surdos.

Como acontece a educação de surdos no Rio Branco?


A partir de zero ano de idade (bebês), qualquer criança surda pode ingressar no Centro de Educação para Surdos Rio Branco (CES), passar pelas fases do Programa de Estimulação do Desenvolvimento, pela Educação Infantil e cursar os períodos escolares até o 5° ano do Ensino Fundamental.  O trabalho bilíngue é todo realizado na Língua Brasileira de Sinais (Libras), adotada como a primeira língua no ensino e na aprendizagem, seguida da Língua Portuguesa – na modalidade escrita.

Quando chegam ao 6° ano do Ensino Fundamental, já com a autoestima e a identidade surda fortalecidas, os estudantes são incluídos nas salas de aula regulares junto aos alunos ouvintes do Colégio Rio Branco, por meio do Programa Continuidade de Escolaridade – com o acompanhamento diário de tradutores intérpretes de Libras e Língua Portuguesa em todas as aulas, além de orientação pedagógica personalizada até a conclusão do Ensino Médio.

O Colégio Rio Branco também oferece a possibilidade dos alunos ouvintes de todas as faixas etárias, assim como seus familiares, participarem de oficinas gratuitas de Libras.

Esse amplo trabalho, que acontece há mais de 40 anos, além do atendimento e suporte às famílias, integra um dos braços sociais da instituição ao contemplar mais de 100 alunos surdos beneficiados com bolsas de estudos, mediante análise socioeconômica.

A valorização da cultura surda e o respeito à diversidade sociocultural e linguística dessa minoria fazem parte do principal projeto de inclusão da instituição. É uma de suas marcas e está na natureza do seu dia a dia, já que alunos, educadores e colaboradores convivem harmoniosamente, aprendendo juntos e mutuamente.

O Centro de Educação para Surdos Rio Branco foi criado em 1977, pela Fundação de Rotarianos de São Paulo, e conta com uma equipe altamente qualificada de profissionais e educadores, surdos e ouvintes, fluentes em Língua Portuguesa e na Língua Brasileira de Sinais. É ima referência nacional e internacional no ensino de surdos.

O CES também trabalha com a campanha “Mãos Fazendo História”, aberta para receber voluntários e doações para a ampliação dos trabalhos de excelência nesta área da educação.

Saiba mais sobre o CES: www.ces.org.br

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: