Alimentação das crianças preocupa as famílias nas férias e durante a pandemia

Alimentação das crianças preocupa as famílias nas férias e durante a pandemia

Nutricionista relembra a importância dos grupos alimentares e dá dicas de receitas práticas e nutritivas.

Colégio Rio Branco

23 de julho de 2021 | 19h17

O que preparar para o almoço, jantar e lanches intermediários tem sido um desafio diário para as famílias durante a pandemia, principalmente para aquelas que têm crianças e adolescentes em casa. Haja criatividade!

A preocupação com o desenvolvimento saudável dos filhos é constante, mas esse momento de maior reclusão, convívio e administração do tempo e das tarefas domésticas pelos adultos, que passaram a trabalhar em casa, muitas vezes resultam num certo “relaxamento” da dieta familiar, com soluções mais rápidas e fáceis, como pedir comida por entrega ou substituir uma das refeições por lanche, pizza ou algo do gênero.

Com as férias escolares, essa realidade se intensifica, já que as crianças têm menos deveres, acordam mais tarde, passam mais tempo diante da TV, entre outros hábitos comuns nessa época do ano.

Para falar um pouco mais sobre o assunto, a nutricionista do Colégio Rio Branco, Adriana Mayumi Ono Iguma, explica sobre a importância de uma rotina e dá ideias de receitas divertidas, rápidas e nutritivas.

Essa também pode ser uma fase para ajudar a aprimorar o paladar dos pequenos, com a descoberta de novos sabores. E lembre-se: quanto maior o equilíbrio alimentar, mais fácil será o retorno à rotina de aulas, em agosto.

As crianças passaram muito tempo em casa durante a pandemia e também estão de férias. O que fazer para não ceder e liberar totalmente o consumo de doces e guloseimas nesse período?

R: As famílias podem criar uma rotina alimentar com horários estabelecidos para fazer as refeições. Uma dica seria fazer o cardápio semanal, organizar as compras e cozinhar junto com as crianças, tendo em mente o consumo de refeições e snacks saudáveis, criando um ambiente participativo e divertido.

Segue abaixo duas dicas de receitas se snacks deliciosos e saudáveis:

Snack de grão de bico

– 1 Pacote de grão de bico em conserva (ou o grão in natura cozido)
– Páprica doce, sal e azeite a gosto.

Escorra o grão de bico, disponha em uma forma e tempere com páprica doce, sal e azeite a gosto (misturar bem). Coloque no forno a 180°C por 20 minutos ou até ficarem dourados e crocantes. Na metade do tempo, abrir o forno e misturar para não queimar. Deixar esfriar e guardar em potes hermeticamente fechados.

Propriedade Nutricional: O grão de bico é uma leguminosa rica em proteínas, fibras, ferro e pode contribuir para o emagrecimento, devido à saciedade que ele proporciona, além de auxiliar na regulação da pressão sanguínea e possuir ação anti-inflamatória.

Snack de coco

– 1 Coco seco in natura inteiro
– Canela a gosto

Cortar o coco em um mandoline em fatias finas. Salpique canela a gosto. Coloque no forno a 180°C por 20 minutos ou até ficarem crocantes. Na metade do tempo abrir o forno e misturar para não queimar. Deixar esfriar e guardar em potes hermeticamente fechados.

Propriedade Nutricional: O coco é fonte de gordura boa, rico em fibras. É um potente antimicrobiano, antioxidante, anti-hipertensivo e anti-inflamatório. Auxilia no emagrecimento, por proporcionar saciedade e conter muitas fibras.

Quais cuidados os pais e responsáveis devem ter com horários e disciplina alimentar durante as férias?

R: Durante as férias é normal que as famílias acordem mais tarde ou façam as refeições fora de casa. Tente flexibilizar o horário das refeições com intervalos de no máximo 1 hora para não sair muito da rotina.

Frequentemente a necessidade de “beliscar” se manifesta quando somos visualmente estimulados pela presença de alimentos ultraprocessados (biscoitos, salgadinhos, guloseimas). Por isso, sugiro evitar ter esses produtos ao alcance das crianças ou que estejam em fácil acesso dentro de casa. De preferência não comprar.

Quais alimentos não podem faltar na dieta de crianças e adolescentes?

R: Refeições coloridas com frutas, legumes, verduras, carnes magras e laticínios (para aqueles que consomem). Os grãos, sementes, vegetais verde escuros (exemplo: espinafre, brócolis), leguminosas (feijões, vagens), castanhas e nozes são para todos, mas, principalmente veganos, devido a fonte proteica e de cálcio.

Os alimentos ultraprocessados não devem fazer parte da rotina alimentar das pessoas em todas as faixas etárias, principalmente crianças, devido a grandes quantidades de aditivos, corantes, edulcorantes e sódio, que podem aumentar o risco de doenças crônicas degenerativas.

Adriana Mayumi Ono Iguma é nutricionista, pós-graduada em Gestão da Qualidade de Alimentos e pós-graduanda em Alimentos Funcionais e Nutrigenômica.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.